Rio ironiza e diz que atribuição de prémios à administração do Novo Banco é “mais do que justo”

A atribuição de prémios não tem sido bem vista pelo Governo ou pelo Fundo de Resolução, que até já se recusou a fazê-lo. O ainda presidente dos sociais democratas junta-se assim ao quórum de críticos, demonstrando a insatisfação no Twitter.

Mário Cruz/Lusa

O líder do PSD, Rui Rio, insurgiu-se esta sexta-feira contra a atribuição de prémios ao conselho de administração do Novobanco ao afirmar que, “do ponto de vista do acionista Lone Star é mais do que justo premiar estes gestores”. “Seria justo fazerem também um agradecimento ao Governo, porque sem ele este êxito bancário nunca seria possível”, rematou no Twitter.

As declarações surgem na consequência do anúncio, na quinta-feira, de que o Novobanco atribuiu um prémio de 1,6 milhões de euros à equipa liderada por António Ramalho.

A atribuição de prémios não tem sido bem vista pelo Governo ou pelo Fundo de Resolução. Enquanto o governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, disse que “não parece ser uma boa ideia”, o fundo recusou mesmo pagar os prémios, com o gabinete de João Leão, então ministro das Finanças, a dizer, em maio do ano passado, que “não é adequada a prática de atribuição de prémios de gestão do Novobanco”.

Relacionadas

Novobanco atribui prémio de 1,6 milhões à equipa de António Ramalho

O banco voltou a atribuir um prémio à comissão executiva do Novobanco, referente ao ano de 2021, apesar das críticas já feitas pelo Governo ou pelo Fundo de Resolução.
Recomendadas

PremiumBCE afasta estagflação e vinca diferença entre anos 70 e atualidade

Com um mercado laboral mais forte, desemprego em mínimos históricos e um banco central comprometido com uma baixa da inflação, o BCE vê o cenário de estagflação como menos provável do que nos anos 70. Projeção de crescimento de 2,8% afasta esta possibilidade.

PremiumAuditoria ao Novobanco há meses à espera do Parlamento

A terceira auditoria da Deloitte ao Novobanco foi entregue aos deputados em abril, mantendo-se como confidencial de forma provisória. Desde então, o tema não voltou a ser discutido.

BdP rejeita subida significativa do incumprimento no crédito à habitação

Questionado sobre se espera um aumento do incumprimento das famílias no crédito habitação, devido ao aumento das taxas de juro, uma vez que a maioria daquele tipo de crédito em Portugal é contratualizado com taxas variáveis, Mário Centeno disse que “a resposta breve é não”.
Comentários