Rio terá como primeiras missões lista de deputados e programa às legislativas

De acordo com os resultados oficiais, ainda provisórios, anunciados pelo Conselho de Jurisdição Nacional, Rui Rio foi reeleito presidente do PSD com 52,43% dos votos, contra os 47,57% do eurodeputado Paulo Rangel.

EPA/JOSE COELHO

Rui Rio, que foi reeleito no sábado presidente do PSD, terá como primeiras tarefas do novo mandato conduzir o processo das listas de deputados, avaliando uma eventual coligação com o CDS-PP, e preparar o programa às legislativas.

De acordo com os resultados oficiais, ainda provisórios, anunciados pelo Conselho de Jurisdição Nacional, Rui Rio foi reeleito presidente do PSD com 52,43% dos votos, contra os 47,57% do eurodeputado Paulo Rangel.

O prazo limite para a entrega da lista de deputados para as legislativas de 30 de janeiro termina em 20 de dezembro, um dia depois de terminar o Congresso do partido, que decorrerá entre 17 e 19 de dezembro, na FIL, em Lisboa.

Se a vitória tivesse sido de Paulo Rangel o processo prometia gerar polémica, já que o eurodeputado defendeu durante a campanha interna que devia ser o líder eleito a conduzi-lo, enquanto Rio invocada os estatutos que atribuem à Comissão Política Nacional (CPN) a tarefa de propor essa lista ao Conselho Nacional, órgão com a competência de a aprovar.

Com a reeleição de Rio, a questão de quem é o responsável máximo está resolvida, mas dificilmente o processo será pacífico, depois de muitos dirigentes distritais e concelhios terem apoiado Paulo Rangel e o atual e futuro presidente já ter perdido várias votações recentes em Conselho Nacional.

“Fazer listas com nomes, seja para o Conselho Nacional, para a Comissão Política Nacional, seja o que for, é sempre difícil em qualquer partido. No nosso sempre foi e continuará a ser”, admitiu, no seu discurso de vitória no sábado.

Segundo o calendário já aprovado pela direção, o prazo para as distritais aprovarem as suas escolhas termina já na terça-feira, abrindo-se depois até 06 de dezembro um período de negociações com a Comissão Política Nacional. O Conselho Nacional para aprovar as listas já foi marcado para 07 de dezembro (com uma segunda data para dia 10, caso ‘chumbem’ na primeira tentativa).

Entre as decisões sobre a lista, estará a de saber se o PSD vai a votos sozinho ou com o CDS-PP: apesar de numa reunião da Comissão Política Nacional a maioria dos seus membros ter manifestado preferência pela primeira opção, o tema não chegou a ir a votos, e, esta semana à Renascença, Rio prometeu levar novamente à direção a proposta de um acordo pré-eleitoral com os democratas-cristãos.

Até ao Congresso, dentro de três semanas, Rio terá ainda de apresentar as suas escolhas para os órgãos nacionais, em particular para a Comissão Política Nacional, e já sabe que pelo menos um dos seus vice-presidentes desde 2018, Nuno Morais Sarmento, não irá manter-se no cargo por vontade do próprio.

Outra tarefa do presidente do PSD será a elaboração do programa eleitoral do partido, que deverá atualizar o texto já apresentado às legislativas de 2019, com os documentos entretanto produzidos pelo Conselho Estratégico Nacional (CEN) do partido.

A moção de estratégia “Governar Portugal” com que Rio se candidatou à liderança do PSD foi um texto curto, com apenas 18 páginas, centrado em mensagens políticas e em que se remetia várias vezes para a sua proposta de estratégia global de há dois anos ou para o anterior programa eleitoral.

Na próxima legislatura, e em função dos resultados eleitorais, Rio terá de decidir se avança com dois diplomas apresentados publicamente durante a sua direção, mas não entregues no parlamento devido à dissolução: o projeto de revisão constitucional e o de revisão da lei eleitoral para a Assembleia da República.

No sábado, tal como na campanha, Rio manifestou abertura para possíveis acordos de governação pós-legislativas, dizendo que “vai a eleições democráticas” para “ganhar” e que irá “respeitar essas eleições quer ganhe, quer perca”, esperando a mesma postura dos outros partidos.

Rui Rio é presidente do PSD desde 2018 e, com a reeleição de sábado, deverá tornar-se o terceiro líder mais duradouro à frente dos sociais-democratas, atrás de Cavaco Silva e Passos Coelho.

Relacionadas

Rio vence Rangel por menos de dois mil votos e com forte contributo do Porto e de Braga

Apoios de dirigentes destacados ao eurodeputado não impediram que o líder reeleito também fosse o mais votado em Viseu ou Santarém. Entre as cinco principais distritais só Lisboa deu mais votos a Paulo Rangel do que a Rui Rio numas eleições diretas em que pouco mais de 36 mil militantes participaram.

Rui Rio diz que vitória nas diretas do PSD “só faz sentido se for para construir um país melhor”

Líder reeleito do PSD apontou prioridades para o governo que espera vir a liderar, mas também admitiu o cenário em que tenha de “contribuir para a governabilidade do país” se for derrotado. E na hora de comentar o triunfo nas diretas sobre Paulo Rangel não se esqueceu de a dedicar aos militantes de base aos quais os dirigentes “têm que se ligar mais”.
Recomendadas

José Luís Carneiro, das comunidades portuguesas no estrangeiro à Administração Interna

José Luís Carneiro é o novo ministro da Administração Interna e regressa a um ministério no qual já desempenhou o cargo de assessor entre 1999 e 2000. O antigo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas tem uma forte ligação ao poder local.

PS conquista dois mandatos do círculo da Europa e reforça maioria absoluta para 120 deputados

Depois de na primeira votação, a 30 de janeiro, PS e PSD terem conquistado um mandato cada um no círculo da Europa, na repetição da votação, o PS acabou por eleger o cabeça-de-lista pelo círculo, Paulo Pisco, mas também o segundo nome na lista, Nathalie de Oliveira.
eleições_legislativas_voto_urna_votar

Legislativas: Governo diz que votaram 152 emigrantes no fim de semana

Segundo o Governo “esse número representa um acréscimo de 31% face aos 116 cidadãos que exerceram o seu direito de voto presencial” a 30 de janeiro.
Comentários