Riqueza mundial disparou mais de 10% em 2021

“Podemos atribuir este aumento aos robustos mercados de ações e a um aumento no interesse do consumidor em comprar ativos reais, como vinho, arte e propriedade. Muita coisa está a acontecer no mundo atualmente, desde a inflação à invasão da Ucrânia pela Rússia, mas isso não irá impedir o crescimento da riqueza mundial”, declarou o CEO da MoneyTransfers, Jonathan Merry.

Os valores de riqueza mundial aumentaram para 530 biliões de dólares (cerca de 508 biliões de euros) em 2021, segundo o site MoneyTransfers.

Este valor corresponde a uma subida de 10,6% face a 2020, ano em que a riqueza mundial assentava nos 479 biliões de dólares (cerca de 460 biliões de euros). O valor registado em 2021 é o mais substancial da última década.

“Podemos atribuir este aumento aos robustos mercados de ações e a um aumento no interesse do consumidor em comprar ativos reais, como vinho, arte e propriedade. Muita coisa está a acontecer no mundo atualmente, desde a inflação à invasão da Ucrânia pela Rússia, mas isso não irá impedir o crescimento da riqueza mundial”, declarou o CEO da MoneyTransfers, Jonathan Merry.

De acordo com um dos membros do grupo ‘Boston Consulting Group’, Anna Zakrzewski, o desenvolvimento da riqueza releva-se resiliente, acrescentando que a velocidade os índices de crescimento irão manter-se positivos mesmo com o clima geopolítico atual marcado por incerteza.

A MoneyTransfers prevê ainda que a região da Ásia-Pacífico continuará a ter o maior ritmo de aumento de riqueza nos próximos cinco anos. Além disso, os valores dos ativos irão aumentar para uma taxa de crescimento anual geral de 8,4% até 2026. Nesse cenário, a região abrigará cerca de um quarto da riqueza mundial.

Mais ainda, Hong Kong pode mesmo receber mais dinheiro transfronteiriço, segundo o site, o que significa que Hong Kong pode vir a substituir a Suíça como capital financeira global.

 

Economia americana deve recuar

Contrariamente, está previsto que a economia americana recue. De acordo com analistas da MoneyTransfers, está previsto que a taxa de expansão económica nos Estados Unidos da América (EUA) diminua 4,7% entre o presente e 2026. Por sua vez, a Europa Ocidental cairá para menos de 4%.

Em comparação, o crescimento médio nos cinco anos anteriores foi de 9,1% e de 4,5% para os EUA e para a Europa Ocidental, respetivamente.

Além disso, a MoneyTransfers conclui que o investimento tradicional apresenta um crescimento de três a cinco vezes mais rápido do que o investimento sustentável. Os investimentos sustentáveis ​​podem constituir até 17% da riqueza investida em privado até 2026. o

As consequências do pós-pandemia é um fator que está a contribuir para a desaceleração da economia americana, com a guerra entre a Rússia e a Ucrânia a agravar a situação, com os preços do gás a aumentar, afetando a maioria das indústrias.

 

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta quarta-feira

Cinco milhões depois a Feira Popular acabou, burlas nos arrendamentos nos sites imobiliários e justiça europeia investiga dono da TVI são algumas das manchetes que marcam o dia.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta quarta-feira

Moção de censura do Chega debatida e votada, ANA – Aeroportos de Portugal ouvida na Assembleia da República e deputados decidem se chamam Pedro Nuno Santos por causa do novo aeroporto do Montijo.
Comentários