Risco de perda “total”: Bruxelas alerta investidores para aposta em moedas virtuais

A Comissão Europeia apela às agências de supervisão europeias para que atualizem, com caráter de urgência, os alertas aos investidores, à luz dos mais recentes desenvolvimentos com a bitcoin.

A Comissão Europeia alertou, esta quarta-feira, para o risco de perda “total” dos investimentos em moedas virtuais, nomeadamente a bitcoin, apelando às agências de supervisão europeias para que atualizem, com caráter de urgência, os alertas aos investidores.

A bitcoin, a mais famosa das criptomoedas, protagonizou nas últimas semanas valorizações extraordinários, tendo, no último domingo, ultrapassado a barreira dos 20 mil dólares. Desde então, o seu valor não parou de cair, atingindo esta quarta-feira, depois de uma queda de os 7%,  os 17 mil dólares a unidade.

“O valor da bitcoin não está garantido por nenhum país nem por nenhum emissor”, alertou, em conferência de imprensa, o  vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis. Estando dependente da oferta e da procura, “o seu valor pode cair a qualquer momento”.

“Há riscos claros para os investidores e os consumidores associados à volatilidade dos preços, incluindo o risco de perda total do investimento, quebras operacionais e de segurança, bem como manipulação do mercado”, explicou o  comissário, que tem a “tutela” do euro e da estabilidade financeira.

 

Recomendadas

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.

Alemanha não vai seguir “política fiscal expansionista” do Reino Unido

O Governo alemão anunciou um fundo de 200 mil milhões de euros destinado a proteger consumidores e empresas do aumento dos preços do gás impulsionado pela guerra na Ucrânia.
Comentários