Risco e rendibilidade são as prioridades da supervisão bancária do BCE

Para o supervisor bancário, estes pontos são relevantes no contexto atual, em que há necessidade de adaptação às condições financeiras, tais como o fraco crescimento económico da área do euro e as incertezas geopolíticas.

Reuters

O Banco Central Europeu (BCE), responsável pela supervisão pelos maiores 120 bancos da zona euro, revelou que as suas prioridades para o próximo ano, em termos de supervisão, irão centrar-se sobretudo na rendibilidade do negócio bancário e na gestão do risco, nomeadamente no risco de crédito.

“A supervisão bancária do BCE debruçar-se-á sobre os riscos associados ao modelo de negócio e à rendibilidade, o risco de crédito (com incidência nos créditos não produtivos) e a gestão do risco. Estes domínios foram identificados como prioritários já em 2016, mas as autoridades de supervisão concentrar-se-ão agora em novas vertentes no âmbito de cada risco”, adianta o BCE em comunicado.

“A supervisão dos bancos é um processo dinâmico. O mundo à nossa volta mudou e o mesmo aconteceu na esfera económica e regulamentar. Analisaremos mais atentamente os efeitos para os bancos decorrentes da saída do Reino Unido da União Europeia, da concorrência do setor das empresas de tecnologia financeira e da externalização das atividades bancárias”, afirmou Danièle Nouy, Presidente do Conselho de Supervisão do BCE.

O BCE centrar-se-á também em determinadas classes de ativos e adotará uma nova abordagem, que combina elementos de inspeção no local e remota. Além disso, “as autoridades de supervisão lançarão uma nova análise temática para obter uma perspetiva sobre as atividades externalizadas pelas entidades supervisionadas e como estas gerem os riscos associados. Estas análises poderão prolongar-se por mais de um ano”, acrescentou o supervisor bancário europeu.

O impacto da Norma Internacional de Relato Financeiro n.º 9 (International Financial Reporting Standard 9 – IFRS 9) nas instituições de crédito – e que entrará em vigor em 2018 – e a análise do cumprimento dos princípios para a agregação de dados sobre o risco e a prestação de informação sobre o risco, estabelecidos pelo Comité de Basileia de Supervisão Bancária estão também entre as áreas a que o BCE dará especial atenção.

O supervisor adiantou ainda que vai ser feita uma análise direcionada dos modelos internos, no sentido de avaliar se os modelos internos para o Pilar 1 estão a ser utilizados adequadamente. “Pilar 1” refere-se ao montante mínimo de fundos próprios que as instituições de crédito estão, por lei, obrigadas a deter. A análise abrange os riscos de crédito, de mercado e de crédito da contraparte e, no âmbito desta, serão lançadas, no primeiro semestre de 2017, missões de inspeção no local.

 

Recomendadas

Compra de carros de luxo pela TAP “é um problema de bom senso”, diz Marcelo Rebelo de Sousa

“Já falei em relação a várias entidades públicas no passado e em relação à distribuição de dividendos e em relação aos salários e entendo que quando se está num período de dificuldade deve fazer-se um esforço para dar o exemplo de contenção”, defendeu hoje Marcelo Rebelo de Sousa.

Albergaria investe 3,7 milhões de euros na zona industrial para captar investimento e criar emprego

O município “tem realizado um forte investimento no desenvolvimento económico, dinamizando o sector empresarial e a economia local” nos últimos anos, segundo António Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha.

SIC: Alargamento da dedução dos juros da habitação em sede de IRS poderá abranger mais de 660 mil famílias

Segundo a SIC Notícias, se a medida for incluída no Orçamento do próximo ano, como se espera, poderá abranger mais de 660 mil famílias. 
Comentários