Rodrigo Costa acusa BE de querer nacionalizar parte da REN

Presidente da REN mostrou-se indignado com a proposta do Bloco de Esquerda (BE) de passar a gestão técnica do sistema elétrico para o controlo público, considerando que significaria “nacionalizar parte da empresa”.

Questionado sobre a proposta do BE apresentada na quarta-feira, Rodrigo Costa começou por questionar o objetivo, se é “tentar resolver um problema ou é uma questão meramente ideológica” até a considerar lesiva dos interesses dos acionistas e do país.

“O que está a ser proposto neste momento é uma nacionalização da empresa, uma renacionalização da empresa. Era uma empresa do Estado que foi privatizada e agora há uma proposta para nacionalizar parte da empresa, uma atividade que é talvez a mais importante da empresa”, afirmou o presidente da REN, na conferência de imprensa de apresentação dos resultados relativos a 2016.

Manifestando “alguma indignação” em relação à proposta bloquista, Rodrigo Costa defendeu a vantagem dos serviços associados à rede estarem interligados: “Há uma grande benefício de estar tudo interligado, porque somos muito mais eficazes do ponto de vista de custo”.

Relacionadas

Lucros da REN caem 13,7% para 100 milhões de euros em 2016

Empresa liderada por Rodrigo Costa diminuiu os resultados face ao ano anterior, devido a uma comparação desfavorável com o ano anterior, no qual registou ganhos não-recorrentes.
Recomendadas

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,

Vieira da Silva desaconselha mudança da lei das pensões. “É mais sensato suspender”

Para o ex-ministro Vieira da Silva, seria mais sensato suspender a lei da atualização das pensões, não sendo este o momento para proceder a alterações à fórmula legal.

Médicos dão prazo de duas semanas para Ministério da Saúde marcar reunião

“Já fizemos seguir o pedido de reunião ao senhor ministro [da Saúde, Manuel Pizarro] e solicitámos que essa reunião se desenvolva com a celeridade que deve e estabelecemos um limite para nas próximas duas semanas sermos convocados para essa reunião”, adiantou Noel Carrilho.
Comentários