Roland Berger defende reprivatização da TAP e diz que faz sentido no grupo da Lufthansa

O presidente da Roland Berger, António Bernardo, aconselhou o Estado português a acelerar a reestruturação da TAP para efetuar a reprivatização da transportadora aérea portuguesa. As declarações foram feitas durante o webinar “Haverá retoma sem transporte aéreo?”, promovido pelo Jornal Económico e pela consultora em comunicação e estratégia BDC Empower to Lead.

A TAP “tem de ser rapidamente reestruturada, para depois ser privatizada e entrar em movimentos de consolidação”, defendeu o presidente da consultora estratégica internacional Roland Berger no Webinar “Haverá retoma sem transporte aéreo?”, promovido pelo Jornal Económico e pela consultora em comunicação e estratégia BDC Empower to Lead.

Sobre a entrada em movimentos de consolidação, António Bernardo considera que o sector da aviação apresenta importantes “economias de escala”, admitindo que “a TAP é demasiado pequena para ter uma rentabilidade aceitável”, reconhecendo assim que “a fusão ou compra de participação por uma grande companhia aérea deve ser o ponto de chegada”. Admitiu ainda que seria interessante a sua integração no grupo do gigante alemão Lufthansa, “que, aliás, já comprou várias companhias aéreas da dimensão da TAP”.

Em resposta à crise, “as companhias realizaram uma forte reestruturação, com as low cost melhor preparadas”, diz o presidente da Roland Berger, colocando as ultra low cost WIZZ e Ryanair no topo do indicador de liquidez relativo a março de 2019, respetivamente, com 178 e 170 dias de liquidez, seguidas pelo Grupo IAG, com 132 dias de liquidez, pela easyJet com 113 dias, pelo Grupo Air France-KLM com 81 dias de liquidez e pela Lufthansa, com 51 dias de liquidez.

No indicador do CASK – Cost of Available Seat-Kilometer ex-fuel, quantificado em cêntimos de euro e relativo a 2019, as ultra low cost WIZZ e Ryanair a presentam o custo mais baixo de CASK ex-fuel. Ambas com 2 cêntimos, seguida pela easyJet com 4 cêntimos, pelo Grupo IAG com 5 cêntimos, pela Lufthansa com 6 cêntimos e pela Air France-KLM, que apresenta o CASK ex-fuel mais elevado, com 7 cêntimos, segundo os dados apresentados pela Roland Berger.

As companhias tradicionais estão a utilizar o apoio dos Estados na reestruturação, mas a sua saída da crise está a ser mais lenta que no caso das low cost. Entre os exemplos de medidas de reestruturação a Roland Berger refere o caso do Grupo Air France-KLM, que reduziu 16% do efetivo da Air France, o que corresponde a menos 7380 trabalhadores, e reduziu 5000 trabalhadores na KLM, acompanhado pela redução de horas de trabalho e do congelamento salarial, além de uma redução de 40% da respetiva frota de aeronaves.

No caso da Lufthansa, o corte foi de 22 mil trabalhadores, mais uma redução de 45% do salário dos pilotos durante dois anos e uma frota com menos 150 aviões, num total de 763. No Grupo IAG, foram reduzidos 12 mil trabalhadores na British Airways, aplicando 20% de redução do salário dos pilotos e 15% de redução no pessoal de navegação, e a frota foi reduzida em 55 aviões num total de 570, distribuídos entre 32 Boeing 747 da British Airways e 15 A340 da Iberia.

Na comparação entre low cost e companhias aéreas tradicionais, no terceiro trimestre de 2020, o resultado operacional e a margem operacional em percentagem das vendas foi positivo na Ryanair, enquanto que a generalidade das restantes companhias apresentaram os mesmo indicadores negativos, segundo a Roland Berger, citando dados da Capa – Center for Aviation.

Sobre a TAP, António Bernardo refere que “foi especialmente atingida pela crise, mais do que outras companhias aéreas europeias”. Nesta conjuntura, o tráfego de passageiros (numa escala em milhões de passageiros) nos aeroportos nacionais foi zero em abril de 2020, e apenas 0,1 em maio, 0,3 em junho, 1,3 em julho, 2,3 em agosto (correspondente a menos 64,6% que em igual mês de 2019), 1,9 em setembro (menos 69,5% em termos homólogos) e 1,5 em outubro (menos 74,2% homólogos).

A Roland Berger refere que na variação homóloga de passageiros nos aeroportos nacionais, no período de agosto a outubro de 2020, comparativamente com igual período de 2019, a TAP registou uma queda de 79%, a Ryanair caiu 64%, a easyJet caiu 58%, a Transavia caiu 42%, a Air France-KLM caiu 39% e a Lufthansa caiu 52%.

Recomendadas

Tribunal de Contas apenas realizou uma auditoria ao PRR e já tinham sido gastos 1,5 mil milhões

A juíza-conselheira Helena Abreu Lopes admitiu a escassez de auditorias em julho do ano passado quando foi acompanhar o presidente do TdC a uma audição no Parlamento.

Governo poupou 1,3 mil milhões em juros de dívida com política ultra-acomodatícia

Os juros próximos de zero significaram custos com dívida abaixo do previsto em sucessivos OE, criando uma poupança que chega a 1,3 mil milhões de euros desde que António Costa é primeiro-ministro.

Governo está a preparar novo apoio para empresas que contratem jovens

Vem aí um novo apoio para as empresas que ofereçam contratos sem termo aos jovens com salários de, pelo menos, 1.320 euros, anuncia a ministra do Trabalho, em entrevista.
Comentários