Rua do Brexit nasce em França… e não leva a lado nenhum

O autarca Julien Sanchez, da Frente Nacional, quis homenagear a decisão do Reino Unido. A rua é circular e os mais críticos consideram-na desnecessária e lamentam que se localize numa zona industrial.

Em homenagem à população britânica que votou “sim” no referendo de dia 23 de junho, o autarca da comuna francesa de Beaucaire, na região sul do país, decidiu nomear uma das ruas da cidade “Rua do Brexit”.

A decisão foi tomada a 21 de dezembro durante um conselho da comuna, cuja votação registou 23 votos a favor e 9 contra, de acordo com o diário francês “Le Fígaro”. No Twitter, o mayor de Beaucaire, Julien Sanchez, justificou a alteração: trata-se de uma “homenagem à escolha do povo britânico” [que votou a favor de deixar a União Europeia, no verão passado].

“É uma rua numa zona industrial e não vai interferir com a rotina diária dos residentes de Beaucaire”, afirmou o autarca de 33 anos à rádio “France Bleu”. Contudo, vários moradores criticam a localização, por se situar numa parte menos turística da cidade, e o facto de ser praticamente uma rotunda sem saídas.

Curiosamente, a rua do Brexit vai ser adjacente à rua Robert-Schumann e à avenida Jean Monnet, considerados dois dos fundadores da União Europeia. Julian Sanchez, de 33 anos, não vê nenhuma provocação no nome e não tem medo de recorrer ao tribunal para que a artéria da cidade tenha o novo nome no espaço de dois meses.

“Mesmo se houver um recurso, ele não tem a mínima hipótese de ganhar. Nós não criámos uma rua Pol Pot ou Klaus Barbie. Simplesmente escolhemos prestar homenagem a um povo soberano e aos líderes que assumiram as suas responsabilidades “, disse o mayor da Frente Nacionalao ao jornal francês.

Veja aqui o mapa da rua.

Recomendadas

Eurovisão: Liverpool acolhe concurso em 2023

Esta será a nona vez que o Reino Unido acolhe o concurso. Londres recebeu o Festival Eurovisão da Canção em 1960, 1963, 1968 e 1977, Edimburgo, em 1972, Brighton, em 1974, Harrogate, em 1982, e Birmingham, em 1998.

ONU prolonga dois anos missão que investiga violações de direitos humanos na Venezuela

No entanto, a medida foi aprovada por 19 países numa votação no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, ao passo que cinco votaram contra (Bolívia, Cuba, China, Eritreia e a própria Venezuela) e 23 se abstiveram. São 47 os países que têm direito de voto neste órgão da ONU.
Comentários