PremiumRuben Eiras: “Solar e eólicas offshore serão mais competitivas que o nuclear em 2040”

A massificação da produção de hidrogénio não dependerá da eletricidade gerada pelo nuclear, admitiu o ex-diretor-geral da Política do Mar e secretário geral do Fórum Oceano ao Jornal Económico.

Ruben Eiras, 44 anos, ex-diretor-geral da Política do Mar, é o secretário geral do Fórum Oceano que está ao ‘leme’ do desafio de avançar, em 2022 – associado à Beta-i –, com o projeto da call que ganharam na DG Mare (Directorate-General for Maritime Affairs and Fisheries) da Comissão Europeia, para liderar o “Atlantic Smart Ports Blue Acceleration Network”. Trata-se de uma rede que integra 391 portos atlânticos que vão receber os melhores projetos apresentados por startups da Economia Azul, e que contam com o apoio do “Dubai Ports World”, o maior fundo de investimento para infraestruturas marítimo-portuárias sustentáveis (dotado com cinco mil milhões de dólares) e do BNP Paribas. Ruben Eiras, madeirense, acredita cada vez mais no potencial dos projetos offshore de produção de hidrogénio verde através de eletrolisadores que utilizam eletricidade “limpa”, proveniente de fontes renováveis, como os painéis solares fotovoltaicos e as eólicas offshore.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Oceanos. Presidente da República destaca papel pioneiro de Portugal nas renováveis

“No caso de Portugal, fomos pioneiros em muitos campos, como as renováveis. Quando começámos a substituir outras formas de energia alguns disseram éramos tolos, não éramos, agora queremos antecipar as metas internacionais”.

DGRM vai promover venda de 743 quilos de alabote congelado que foi apreendido

Para participar da venda, cujo valor mínimo é de 2.125 euros, pressupõe-se a prévia aceitação das condições estipuladas e envio de proposta até ao dia 13 de maio de 2022.

Marcelo elogia Cavaco e aponta Conferência dos Oceanos como “oportunidade única”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, elogiou esta segunda-feira o seu antecessor, Aníbal Cavaco Silva, considerando que deu “projeção cimeira ao mar”, e apontou a Conferência dos Oceanos como uma “oportunidade única” para Portugal.
Comentários