Rui Pinto obteve identificação completa de todos os magistrados do MP, diz acusação

Hacker acedeu a listagem com nome completo, contactos telefónicos e e-mails de mais de 1.600 magistrados do Ministério Público. É acusado de 147 crimes como extorsão na forma tentada, acesso ilegítimo, sabotagem informática e violação de correspondência.

O hacker acedeu a listagem de todos os magistrados do Ministério Público, com nome completo, número de telefone, endereço electrónico e data de nascimento. O acesso ilegítimo consta da acusação do MP, conhecida nesta quinta-feira, 19 de setembro, onde Rui Pinto é acusado de 147 crimes: um de extorsão na forma tentada, 75 de acesso ilegítimo, um de sabotagem informática e 70 de violação de correspondência (sendo sete destes agravados).

Segundo a acusação do MP, através de acesso a documentos contidos no sistema informático da Procuradoria Geral da República (PGR) e nas caixas de correi electrónico com domínio pgr.pt, Rui Pinto teve acesso a matérias reservadas e sob segredo de Justiça, tendo ainda acedido a uma listagem que continha a identificação completa, com nome e data de nascimento, de todos os magistrados do MP que são 1.611, segundo os últimos dados do Conselho Superior do MP. O pirata informático acedeu ainda à área reservada de trabalho do Ministério Público, denominada SIMP (Sistema de Informação do Ministério Público).

Fonte próxima ao processo avançou ao JE que a PGR foi avisada deste factos quando a investigação tomou conhecimento, antecipando que, em sequência do alerta, foram tomadas medidas consentâneas com o reforço de segurança, nomeadamente a alteração de passwords.

De acordo com a nota da Procuradoria-Geral da República, o arguido “muniu-se de conhecimentos técnicos e de equipamentos adequados que lhe permitiram aceder de forma não autorizada a sistemas informáticos e a caixa de correio eletrónico de terceiros”.

A PGR acrescenta que o Sporting CP, a FPF, a sociedade de advogados PLMJ e a própria PGR foram violadas a nível informático.

No caso da PGR, Rui Pinto terá entrada no sistema informático 307 vezes depois de o hacker ter obtido a as credenciais de um funcionário ou de um magistrado da Procuradoria-Geral da República com as quais teve acesso remoto a toda a rede do Ministério Público. Além de ter tido acesso a dados pessoais de todos os magistrados do MP, o pirata informático acedeu ao email de responsáveis como o antigo director do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), Amadeu Guerra, e o procurador Pedro Verdelho, coordenador do gabinete de Cibercrime do MP. O hacker português conseguiu também documentos em segredo de justiça relacionados com a Operação Marquês, o inquérito ao BES e ainda o processo de Tancos.

Também outros factos recolhidos no âmbito do inquérito ao caso Doyen que se prendem com acessos a correio eletrónico  de outras entidades como escritórios de advogados (a PLMJ), MAI, PSP, FIFA, FC Porto constam na acusação,  e à semelhança dos acessos ao Sistema de Informação do Ministério Público, poderão levar à abertura de novos inquéritos para investigar outros crimes de acessos ilegítimos, sabotagens informáticas e de acesso a informação privilegiada.

A sociedade de advogados PLMJ fez parte da defesa do Benfica no processo conhecido como ‘e-toupeira’.

Segundo a PGR, o Ministério Público (MP) recolheu indícios de que o arguido, além dos acessos indevidos às entidades e caixas de correio objeto desta acusação, “acedeu igualmente a sistemas informáticos e caixas de correio de muitas outras entidades, públicas e privadas”.

“Tendo em atenção a extensão destes acessos, bem como o facto de decorrerem ainda diligências no sentido de aceder a informação cifrada constante de dispositivos apreendidos, foi determinada a extração de certidão para prosseguimento destas investigações”, acrescenta a PGR.

Em prisão preventiva desde 22 de março deste ano, Rui Pinto, de 30 anos, foi detido na Hungria e entregue às autoridades portuguesas, com base num mandado de detenção europeu (MDE), que apenas abrangia os acessos ilegais aos sistemas informáticos do Sporting e da Doyen.

Como o arguido nunca renunciou ao princípio da especialidade, para que a justiça portuguesa pudesse vir a acusar e a julgar Rui Pinto por outros factos e crimes que não estes, o MP teve de pedir a extensão do MDE às autoridades húngaras (que autorizaram), com base em novos factos e indícios entretanto apurados no decorrer desta investigação, os quais, segundo refere agora a PGR, vão dar mesmo origem a outros processos judiciais.

Rui Pinto é suspeito de ser o autor do furto dos e-mails do Benfica, em 2017, o que não consta desta acusação.

 

Relacionadas

“Ministério Público consegue evitar que a SAD de um clube seja pronunciada”, acusa defesa de Rui Pinto

O MP acusou Rui Pinto de 147 crimes, 75 dos quais de acesso ilegítimo, 70 de violação de correspondência, sete deles agravados, um de sabotagem informática e um de tentativa de extorsão, por aceder aos sistemas informáticos do Sporting, da Doyen, da sociedade de advogados PLMJ, da Federação Portuguesa de Futebol e da Procuradoria-Geral da República, e consequente divulgação de dezenas de documentos confidenciais destas entidades.

Rui Pinto: Acesso a e-mails do Benfica, magistrados e advogados vão dar origem a novos inquéritos

Na mira da justiça está o acesso aos emails do Benfica com novos dados que poderão ajudar a fundamentar investigação em curso ou levar à abertura de novo inquérito. Ataques dezenas de e-mails, nomeadamente de magistrados do Ministério Púbico e de advogados levarão também a novas investigações devido a novos crimes de acessos ilegítimos, sabotagens informáticas e de acesso a informação privilegiada.

Caso Doyen: Rui Pinto acusado de crimes de acesso ilegítimo e extorsão na forma tentada

O hacker português já foi notificado da decisão do Ministério Público. Além de Rui Pinto, também o seu ex-advogado, Anibal Pinto, foi acusado de um crime de extorsão na forma tentada.
Recomendadas

Primeiro-ministro reafirma prioridade do Governo no combate à violência doméstica (com áudio)

O primeiro-ministro, António Costa, reafirmou a “prioridade do Governo” no combate à violência doméstica, sublinhando o “reforço de verbas” no OE 2023. A GNR lança esta sexta-feira uma campanha de combate ao flagelo.

PremiumCâmara de Caminha paga 20 mil euros para parecer sobre decisão já tomada

Negócio para centro de exposições, que não existe, já custou ao erário público cerca de 400 mil euros: adiantamento de 369 mil e agora mais 20 mil para parecer após rescisão contratual.

Trump é acusado judicialmente de violação de jornalista há 30 anos (com áudio)

A jornalista e escritora E. Jean Carroll, que acusou publicamente o ex-Presidente Donald Trump de estuprá-la há quase 30 anos, apresentou hoje uma queixa civil com a mesma denúncia num tribunal de Nova Iorque.
Comentários