Rui Rio critica Governo pelo aumento de salário de CEO da TAP

“O que um Governo de esquerda, que se diz sempre preocupado com os mais desfavorecidos, aprova em matéria salarial numa empresa falida que só sabe viver de mão estendida para o contribuinte”, apontou o líder do PSD nas redes sociais.

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio criticou o Governo pelo aumento de salário do CEO interino da TAP, Ramiro Sequeira esta terça-feira, 29 de dezembro.

“O que um Governo de esquerda, que se diz sempre preocupado com os mais desfavorecidos, aprova em matéria salarial numa empresa falida que só sabe viver de mão estendida para o contribuinte. O tal que suporta a brutal carga fiscal”, apontou Rui Rio.

Ramiro Sequeira passou a receber 35 mil euros brutos por mês com a transição para o cargo de CEO interino da TAP. Antes, quando era COO da TAP ganhava 17 mil euros. Segundo o “Eco”, o Governo teve conhecimento do aval às alterações. Contudo, os valores não se aproximam do que ganhava o antigo CEO, Antonoaldo Neves, 45 mil euros brutos por mês.

Apesar da quantia avultada, a 15 de dezembro o Jornal Económico noticiou que o conselho de administração e comissão executiva iria ter um corte salarial de 30%. “Os órgãos sociais vão ter um corte superior a qualquer trabalhador, vão ter um corte de 30%”, referiu o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos no Parlamento.

“Obviamente não podiam deixar também de passar por este esforço que é pedido a toda a companhia, e é pedido um peso maior aos trabalhadores mais bem pagos da companhia, 30%”, destacou Pedro Nuno Santos em resposta ao partido Pessoas Animais Natureza (PAN).

Tendo em conta o aumento salarial, esta terça-feira, o PSD questionou o Governo esta sobre a decisão de aumentar os salários a três administradores da TAP. Em comunicado, o PSD perguntou ao Governo “se confirma os valores que forma tornados públicos” e “se já deu ou vai dar orientações para que esta decisão seja revertida com caráter imediato e efeitos retroativos, se for o caso”.

Os deputados Afonso Oliveira, Cristóvão Norte, Carlos Silva e restantes membros da comissão de economia do PSD classificaram este cenário como “deplorável”.

Relacionadas

PSD questiona Governo sobre decisão de aumentar salários dos administradores da TAP

O PSD considera que, perante este cenário, “é deplorável que tal suceda quando se está na iminência de verificar na TAP o maior despedimento coletivo público de que há memória e a impor perdas significativas nos salários dos seus colaboradores.

Sindicatos não entendem silêncio de António Costa e Pedro Nuno Santos sobre os aumentos na administração da TAP

Os aumentos propostos pela Comissão de Vencimentos da TAP – depois da suspensão do Acordo de Empresa, da decisão de redução anual da massa salarial e da resolução de Conselho de Ministros que declara a TAP em situação económica difícil – arrasaram a credibilidade do primeiro ministro António Costa e do ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos junto dos trabalhadores da TAP. O Chairman, Miguel Frasquilho, é aumentado para 13,5 mil euros.
TAP Portugal

BE quer saber se Governo deu aval a aumento de salários de três administradores da TAP

Numa questão enviada para o Ministério das Infraestruturas e Habitação, através do parlamento, os bloquistas consideram que “não é compreensível ou aceitável que se estejam a prever cerca de 2.000 despedimentos e reduções salariais de 25% aos trabalhadores e, ao mesmo tempo, se decidam subidas salariais na administração”.
Recomendadas

Aeroporto: Marcelo saúda convergência e espera obras em marcha antes do fim do mandato

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que espera terminar o mandato, em março de 2026, “com a alegria de ver não só escolhida uma localização, não só começada a obra do aeroporto.

PR nos EUA: Marcelo chegou a San Diego onde não ia um Presidente português há 33 anos

“Há 30 anos que não vinha cá um Presidente, 33 anos, é uma conta certa, é capicua”, assinalou Marcelo Rebelo de Sousa à chega a San Diego.

PS acusa PSD de “cortejar” um partido de extrema-direita

“O PSD fez um apelo à votação num vice-presidente à Assembleia da República num partido de extrema-direita. Não podemos deixar passar em branco”, realçou João Torres, referindo-se ao apelo que o partido laranja fez em relação ao “vice” do Parlamento do Chega.
Comentários