Rui Rio: “O que se passou no SEF não é razão para se fazer uma reestruturação”

Para o líder do PSD, “se o SEF necessita de reestruturação, essa mudança deve ser feita com ponderação e não agora de forma a tentar encobrir uma situação concreta que aconteceu e que não revela necessariamente uma deficiência no serviço do SEF. Revela uma deficiência naquele caso concreto”.

Rui Rio defendeu esta quarta-feira que a morte do cidadão ucraniano Ihor Homenyuk nas instalações do SEF, em Lisboa a 12 de março, não é motivo para se proceder a uma reestruturação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

À saída da reunião com Marcelo Rebelo de Sousa no Palácio de Belém, que serviu para debate a renovação do estado de emergência, o presidente do PSD acredita que uma reorganização deste serviço nesta altura é precipitado: “Aquilo que se passou no SEF, a questão do cidadão morto pelos agentes do SEF, não é razão para se fazer uma reestruturação. É razão para se mover um processo crime e de averiguar o que se passou naquele caso concreto. Quando ouço o Governo a dizer que quer reestruturar o SEF na sequência da morte do cidadão ucraniano, acho que uma coisa não tem a ver com a outra”.

Para o líder do PSD, “se o SEF necessita de reestruturação, essa mudança deve ser feita com ponderação e não agora de forma a tentar encobrir uma situação concreta que aconteceu e que não revela necessariamente uma deficiência no serviço do SEF. Revela uma deficiência naquele caso concreto”.

Sobre a situação do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, Rui Rio considera que “é inegável que não geriu bem este tema mas se tem ou não condições, isso é da estrita responsabilidade do primeiro-ministro”.

O cidadão terá sido vítima do crime de homicídio por parte de três inspetores do SEF, já acusados pelo Ministério Público, com a alegada cumplicidade de outros 12 inspetores. O julgamento deste caso terá início em 20 de janeiro.

Noves meses depois do alegado homicídio, a diretora do SEF, Cristina Gatões, demitiu-se na semana passada, após alguns partidos da oposição terem exigido consequências políticas deste caso. Cristina Gatões tinha dito em novembro que a morte do ucraniano foi o resultado de “uma situação de tortura evidente”.

 

Relacionadas

PS rejeita “bodes expiatórios” e pede apuramento de responsabilidades pela morte de Ihor Homeniuk

O deputado Pedro Bacelar de Vasconcelos considera que o caso da morte do cidadão ucraniano, no aeroporto de Lisboa, não será resolvido com o “sacrifício de bodes expiatórios” e que, para se evitar que novos crimes “nefandos” como este aconteçam, é preciso reforçar a “cultura democrática”.

MAI: diretor da PSP deve “cingir as suas intervenções a matérias da sua estrita competência”

Questionado sobre os comentários feitos pelo diretor nacional da PSP sobre a fusão daquela autoridade com o SEF, Eduardo Cabrita Mendes considera que “a PSP e outras forças de segurança devem cingir as suas intervenções públicas a matérias da sua estrita competência operacional”. 

SEF: Eduardo Cabrita garante que não há “contradição nenhuma” na investigação do caso da morte de cidadão ucraniano

O ministro das Administração Interna garante que a cronologia apresentada na comissão parlamentar do caso da morte de Ihor Homeniuk não apresenta incoerências e que “não há contradição nenhuma entre” as datas referidas. Eduardo Cabrita espera que indemnização à família do cidadão ucraniana seja feita”com justiça, num prazo muito curto”.

SEF: Chega e Iniciativa Liberal acusam Eduardo Cabrita de mentir e pedem demissão do MAI

Os deputados do Chega e da Iniciativa Liberal pediram a demissão de Eduardo Cabrita do ministério da Administração Interna durante a audição na comissão parlamentar que está a debater a morte de Ihor Homeniuk, há nove meses, nas instalações do SEF. Ambos os deputados acusaram o ministro de mentir em todo o processo do SEF.
Recomendadas

Ricardo Leão: “Falta, acima de tudo, comunicação e coordenação no Governo”. Ouça o podcast “Discurso Direto”

Discurso Direto é um podcast do Novo Semanário e do Jornal Económico onde todas as semanas são entrevistados os protagonistas da política, da economia, da cultura e do desporto. Ouça a entrevista a Ricardo Leão, presidente da Câmara Municipal de Loures eleito pelo PS.

Marcelo nega estar cansado da Presidência e diz que “seria mau” encurtar mandato em contexto de crise

“Não, não estou cansado da Presidência e, pelo contrário, é mais necessário mais Presidente num momento de mais crise, como é evidente”, defendeu Marcelo Rebelo de Sousa.

Ricardo Leão: “Falta, acima de tudo, comunicação e coordenação no Governo”. Veja o “Discurso Direto”

Discurso Direto é um programa do Novo Semanário e do Jornal Económico onde todas as semanas são entrevistados os protagonistas da política, da economia, da cultura e do desporto. Veja a entrevista a Ricardo Leão, presidente da Câmara Municipal de Loures eleito pelo PS.
Comentários