Rui Rocha questiona Montenegro sobre moção de censura e revisão constitucional

No discurso de vitória que encerrou a VII Convenção Nacional da IL e que elegeu Rui Rocha como sucessor de João Cotrim Figueiredo, o novo presidente liberal dirigiu-se diretamente ao líder do PSD, Luís Montenegro.

O novo líder da IL perguntou hoje ao presidente do PSD o que “seria preciso acontecer mais” para votar a favor da moção de censura dos liberais, questionando Luís Montenegro sobre de que lado vai estar na revisão constitucional.

No discurso de vitória que encerrou a VII Convenção Nacional da IL e que elegeu Rui Rocha como sucessor de João Cotrim Figueiredo, o novo presidente liberal dirigiu-se diretamente ao líder do PSD, Luís Montenegro.

“Quero perguntar daqui a Luís Montenegro o que é que seria preciso acontecer mais para votar favoravelmente a moção de censura da Iniciativa Liberal”, desafiou, assegurando que o partido “vai continuar a liderar a oposição”.

Mas o novo presidente da IL não se ficou por esta pergunta ao líder do PSD e voltou à carga.

“Quero perguntar daqui também a Luís Montenegro se nessa revisão constitucional vai estar do lado da liberdade ou do lado daqueles que querem retirar a liberdade aos portugueses”, questionou.

A música escolhida para encerrar a convenção e o seu discurso foi o “People Have the Power”, de Patti Smith, depois de Rui Rocha ter feito um apelo a todos os liberais precisamente sobre a revisão constitucional que “PSD e PS se preparam para cozinhar”.

“Já em fevereiro iremos para a rua lutar contra a revisão constitucional que vai contra os direitos dos portugueses”, prometeu.

Recomendadas

Ministro da Saúde garante que nenhuma maternidade vai ser fechada 

Questionado sobre qual seria o modelo certo para combater o facto de as maternidades estarem num sistema de rotatividade, Manuel Pizarro considera que esta solução tem provado que funciona bem.

RCA. Costa adverte que seria grave retirar forças militares e deixar este país exposto

O primeiro-ministro defende a continuidade da presença de Portugal nas missões das Nações Unidas na República Centro-Africana (RCA) e adverte que o pior seria retirar do terreno as forças de paz multinacionais e deixar este país exposto.

Lucros da banca são à custa de quem “mal pode” jantar à segunda-feira

O secretário-geral do PCP repudiou as declarações do presidente do Santander Totta que criticou os comportamentos dos portugueses.
Comentários