PremiumRússia anexa regiões da Ucrânia e lança a confusão nos Balcãs Ocidentais

A guerra no leste da Ucrânia passa a ser a guerra no oeste da Rússia. Entretanto, o Kremlin parece apostado em instalar o caos na União Europeia por ‘interposto país’: a Sérvia. A fronteira com o Kosovo está sob pressão.

epa09910064 Russian President Vladimir Putin meets with Russian Olympic and Paralympic athletes during a state awards ceremony for Russian medal winners of the Beijing 2022 Olympic Winter Games at the Kremlin in Moscow, Russia, 26 April 2022. EPA/YURI KOCHETKOV

A anexação de quatro territórios ucranianos ao território russo – que deverá ocorrer esta sexta-feira – é por um lado a consumação de um pressuposto da própria invasão (na ótica russa), mas também uma espécie de fuga para a frente, necessária para responder ao facto de as possíveis alianças ou simpatias que a causa do Kremlin poderia levantar na China ou na Índia terem desaparecido do horizonte político de Vladimir Putin.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Ucrânia: OSCE necessária apesar de “prejudicada” pelo conflito, diz Josep Borrell

A OSCE “foi severamente prejudicada pela agressão russa contra a Ucrânia, que viola os princípios da organização”, disse Borrell, durante uma deslocação à cidade polaca de Brzeg (sul), onde visitou um centro de treino para soldados ucranianos.

Ucrânia: Comissão Europeia quer criminalizar subversão das sanções à Rússia na UE

“A Comissão Europeia apresenta hoje uma proposta para harmonizar as infrações penais e as penas pela violação das medidas restritivas da UE [pois], embora a agressão russa à Ucrânia ainda decorra, é primordial que as medidas restritivas da UE sejam plenamente aplicadas e que a violação dessas medidas não seja compensadora”, salienta a instituição em comunicado de imprensa.

Guerra mostra que UE “não é suficientemente forte”, diz primeira-ministra da Finlândia (com áudio)

A primeira-ministra da Finlândia afirmou hoje que a Europa “não é suficientemente forte” para fazer frente a Moscovo sozinha, numa avaliação “muito honesta” das capacidades europeias na sequência da invasão russa da Ucrânia.
Comentários