Rússia ataca estações ferroviárias e avisa NATO: transportes de armas na Ucrânia são alvos a abater

O ministério da Defesa confirmou que as forças russas bombardearam as fontes de energia das respetivas estações ferroviárias, recorrendo a “armas aéreas e marítimas de alta precisão”.

Sergei Shoigu

O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, alertou que os militares russos consideram o transporte de armas pela NATO na Ucrânia como alvos a serem destruídos, segundo a agência de notícias russa “RIA”, citada pela “Reuters”.

O alerta à NATO chega após o Kremlin confirmar que os seus militares atacaram e, consequentemente, “desativaram” seis estações ferroviárias na Ucrânia utilizadas para fornecer armas de fabrico ocidental às forças ucranianas no leste do país.

O ministério da Defesa confirmou que as forças russas bombardearam as fontes de energia das respetivas estações ferroviárias, recorrendo a “armas aéreas e marítimas de alta precisão”. No entanto, o ministério não especificou quais as armas fabricadas no ocidente fornecidas às forças ucranianas através dessas estações.

A informação, embora seja de fonte oficial russa, não foi confirmada pela”Reuters” e não houve reação imediata de Kiev.

O ministério também disse que atingiu 40 alvos militares ucranianos, incluindo quatro depósitos de munições e armas de artilharia.

A Rússia enviou dezenas de milhares de tropas para a Ucrânia em 24 de fevereiro no que apelida de “operação militar  especial” para eliminar as capacidades militares do país vizinho e “desnazificar” o território.

Com o apoio de vários países ocidentais, na forma militar e económica, as forças ucranianas montaram uma forte resistência que têm condicionado os avanços russos no terreno.

O conflito já provocou 5,6 milhões de refugiados ucranianos a abandonar o país, 90% destes correspondentes a crianças e mulheres, segundo dados oficiais da Organização das Nações Unidas (ONU).

Recomendadas

Ucrânia: Costa anuncia que Zelensky convidou Marcelo para visitar Kiev

O primeiro-ministro António Costa revelou que o chefe de Estado ucraniano, Volodymyr Zlensky, convidou o Presidente da República para realizar uma visita à Ucrânia em data ainda a acertar. Desde Timor-Leste, o Presidente apressou-se a dizer que irá.

Ucrânia: Biden aprova apoio de 40 mil milhões de dólares a Kiev

O financiamento destina-se a apoiar a Ucrânia até setembro e supera a medida de emergência anterior, que disponibilizou 13,6 mil milhões de dólares (12,9 mil milhões de euros).

Portugal enviou um milhão de euros em medicamentos à Ucrânia

Os medicamentos enviados foram doados por empresas do sector farmacêutico e também pelo ministério da Saúde. A carga inclui medicamentos oncológicos, antibióticos e preparações para injetáveis, entre outros produtos. 
Comentários