Embargo? Rússia está a ganhar 800 milhões por dia com petróleo e gás

Rússia vai ganhar mais 20% este ano com vendas de petróleo e gás.

A Rússia diz que espera um salto nos lucros das exportações de energia este ano, não tendo sido afetada pelas sanções. “Considerando o nível de preços que foi estabelecido como resultado das políticas do Ocidente, não sofremos perdas orçamentais”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergey Lavrov, citado pela “Business Insider”.

“Pelo contrário, este ano aumentaremos significativamente os lucros da exportação dos nossos recursos energéticos”, sublinhou Lavrov.

O governante russo acrescentou ainda que “o petróleo, de um modo geral, não está sujeito à política, há uma procura por ele”. “Temos mercados alternativos de vendas, onde já estamos aumentando as vendas”, assegurou.

A Rússia foi atingida por sanções cada vez mais intensas desde que invadiu a Ucrânia, mas Moscovo ainda consegue arrecadar 800 milhões de dólares (744,66 milhões de euros) por dia com receitas de petróleo e gás este ano, de acordo com um relatório da Bloomberg Economics. Os ganhos nos preços da energia podem levar as vendas de petróleo e gás russos a 285 mil milhões de dólares (265,40 mil milhões de euros) este ano, mais 20% do que no ano passado.

Até ao momento, o governo de Putin tem resistido às sanções num momento em que os preços do petróleo têm subido cerca de 50% e estão a ser negociados em máximas de 13 anos.

No dia 30 de maio, a União Europeia concordou em cortar 90% das importações de petróleo russo até o final deste ano, mas alguns países do grupo, incluindo a Alemanha, a maior economia da Europa, continuam fortemente dependentes do gás russo. Além disso, países como a China e a Índia também estão a comprar petróleo russo com desconto, prejudicando ainda mais as sanções internacionais.

Relacionadas

Putin ameaça atacar novos alvos se o Ocidente fornecer mísseis de longo alcance à Ucrânia

“Tiraremos as conclusões apropriadas e utilizaremos as nossas armas (…) para atacar locais que até agora não visámos”, afirmou o líder russo, citado por agências noticiosas do país, sem especificar, porém, quais os alvos que poderiam estar em causa.

Kiev critica declarações de Macron sobre “não se humilhar a Rússia”

O Presidente francês repetiu na sexta-feira que não será necessário “humilhar a Rússia” — uma afirmação muito mal recebida no leste da Europa — “para que no dia em que terminem os combates, possamos encetar um caminho de saída pelas vias diplomáticas”.

Moscovo diz que unidades ucranianas retiraram-se de Severodonetsk

Não foi dada qualquer indicação sobre o número de militares ucranianos que se retiraram, segundo a AFP, que disse não ter conseguido confirmar estas declarações junto de fonte independente.
Recomendadas

Lukashenko: “Principal perigo na Ucrânia é que nazismo se transforme em fascismo”

O presidente da Bielorrússia prevê que o “fascismo” tenha que ser “combatido na Alemanha, França, Inglaterra, Espanha”.

Biden dá primeiro passo para Congresso avaliar ampliação da NATO

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, começou hoje o processo para que o Congresso americano avalie a adesão à NATO da Finlândia e da Suécia.

Lukashenko acusa Kiev de disparar mísseis contra a Bielorrússia

O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, afirmou hoje que o seu exército intercetou mísseis disparados da Ucrânia que se dirigiam contra a Bielorrússia.
Comentários