Rússia. Economia recua 4,3% no terceiro trimestre

O governo russo apontou para uma queda do produto interno bruto (PIB) de 4,3% no terceiro trimestre, um recuo menor em relação ao do segundo trimestre. A estimativa foi divulgada pelo vice-ministro da Economia responsável pelas previsões económicas, Alexeï Vedev, citado pelas agências russas. A Rússia está em recessão desde o início do ano devido […]

O governo russo apontou para uma queda do produto interno bruto (PIB) de 4,3% no terceiro trimestre, um recuo menor em relação ao do segundo trimestre.

A estimativa foi divulgada pelo vice-ministro da Economia responsável pelas previsões económicas, Alexeï Vedev, citado pelas agências russas.

A Rússia está em recessão desde o início do ano devido à queda do preço de petróleo, uma das suas principais exportações, e às sanções impostas por países ocidentais na sequência da crise ucraniana.

O PIB caiu 2,2% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior e 4,6% no segundo trimestre, segundo a agência de estatísticas Rosstat, que ainda não divulgou os dados relativos ao terceiro trimestre. O governo prevê uma contração de 3,9% em 2015.

“Segundo as nossas estimativas, a economia tocou no fundo em junho-julho”, declarou Vedev, apontando mesmo uma pequena subida do PIB em setembro face a agosto.

Ao contrário das autoridades russas, o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial consideram que com a nova queda registada nos preços do petróleo, a recessão vai continuar em 2016.

OJE

Recomendadas

PremiumMercados somam e seguem

Índices acionistas encerram em alta em novembro, somando segundo ganho mensal consecutivo.

Wall Street encerra semana apenas com Dow Jones a negociar em terreno positivo

Ao final do dia em Wall Street, o Dow Jones soma 0,10% para 34.429,88 pontos, o S&P 500 perde 0,13% para 4.071,45 pontos e o tecnológico Nasdaq desvaloriza 0,18% para 11.461,50 pontos. 

Euro regista ligeira valorização e segue acima de 1,05 dólares

Lisboa, 02 dez 2022 (Lusa) – O euro subiu hoje ligeiramente e mantinha-se a negociar acima de 1,05 dólares, após a divulgação de números melhores do que o previsto sobre a criação de emprego nos Estados Unidos.