Rússia está a queimar gás que não envia para a Europa, diz a NASA

As chamas são visíveis a partir da Finlândia, de acordo com as declarações de civis. O procedimento pode estar relacionado com o embargo parcial da Europa ao gás russo.

Reuters

A Rússia está a queimar gás natural, agora que não consegue exportá-lo para os países europeus. De acordo com as imagens recolhidas pelo sistema de monitorização de incêndios da NASA, as chamas levantam-se na estação compressora de Portova, da companhia russa Gazprom, desde o dia 17 de junho, noticia o diário espanhol “El Mundo“.

O procedimento pode estar relacionado com a falta de capacidade de armazenamento para tal quantidade de gás, depois do embargo parcial da Europa à compra daquela fonte de energia, vinda da Rússia.

As instalações ficam de tal forma perto da fronteira russa com a Finlândia, que as chamas são visíveis daquele país, segundo conta o canal de televisão finlandês “Yle”, suportado em depoimentos de civis, que aos jornalistas garantem ter visto as chamas.

A queima de gás passa pela destruição controlada e deliberada do mesmo, sendo que a NASA reitera que não recolheu imagem de chamas que indiciassem os mesmos atos antes do mês de junho.

Recorde-se que a Finlândia não recebe gás natural russo desde o mês de maio, depois de se ter recusado a efetuar os pagamentos em rublos.

Recomendadas

Guterres condena “veementemente” golpe de Estado no Burkina Faso

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou este sábado “veementemente”, num comunicado, “qualquer tentativa de tomada do poder pela força das armas” no Burkina Faso, um dia após um novo golpe de Estado no país, o segundo em oito meses.

Manifestantes denunciaram repressão violenta sobre ativistas no Irão

Milhares de manifestantes em várias universidades iranianas e em vários países protestaram este sábado contra a repressão sobre movimentos de protesto pela morte de Mahsa Amini, a jovem acusada de violar o código de indumentária da República Islâmica.

Bolsonaro agradece apoio de líderes europeus de extrema-direita, entre eles André Ventura

O presidente Jair Bolsonaro, que pretende ser reeleito no domingo, agradeceu este sábado as mensagens de apoio que recebeu de líderes da extrema-direita da Europa, como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, ou o líder do Chega, André Ventura.
Comentários