Rússia expulsa 34 diplomatas franceses

A situação poderá estender-se ao corpo diplomático espanhol, dado que Sergey Lavrov convocou esta quarta-feira o embaixador espanhol em Moscovo, Marcos Gómez.

Maxim Shemetov/Reuters

O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo anunciou hoje a expulsão de 34 diplomatas franceses do país em retaliação a uma medida congénere tomada por Paris recentemente, segundo a “Reuters”.

A situação poderá estender-se ao corpo diplomático espanhol, dado que Sergey Lavrov convocou esta quarta-feira o embaixador espanhol em Moscovo, Marcos Gómez.

A Europa Press apurou junto de fontes diplomáticas que este poderá ser o primeiro passo para a expulsão de funcionários diplomáticos de Espanha em território russo.

Como parte de uma onda de expulsões de diplomatas na Europa, França expulsou, em abril, 35 cidadãos russos com estatuto diplomático, sendo já mais de 300 o número representantes russos em capitais europeias que tiveram de regressar ao território russo.

Também Espanha anunciou, em maio, a expulsão de 25 diplomatas russos com a justificação de que “representam uma ameaça à segurança” e, também, em resposta à agressão iniciada pelas forças militares do Kremlin no país vizinho em 24 de fevereiro.

Este mês, o Ministério dos Negócios Estrangeiros francês declarou seis agentes russos fazendo-se passar por diplomatas como “persona non grata”.

“A Direcção Geral de Segurança Interna (DGSI) denunciou no domingo, dia 10 de abril, uma operação clandestina levada a cabo pelos serviços secretos russos no nosso território”, revelou o ministério numa declaração emitida ao país, sem fornecer mais detalhes.

Ontem, terça-feira, a Rússia ordenou a saída de dois diplomatas finlandeses do país na sequência da expulsão de dois funcionários da embaixada da Rússia pela Finlândia no mês passado.

Recomendadas

Lukashenko: “Principal perigo na Ucrânia é que nazismo se transforme em fascismo”

O presidente da Bielorrússia prevê que o “fascismo” tenha que ser “combatido na Alemanha, França, Inglaterra, Espanha”.

Biden dá primeiro passo para Congresso avaliar ampliação da NATO

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, começou hoje o processo para que o Congresso americano avalie a adesão à NATO da Finlândia e da Suécia.

Lukashenko acusa Kiev de disparar mísseis contra a Bielorrússia

O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, afirmou hoje que o seu exército intercetou mísseis disparados da Ucrânia que se dirigiam contra a Bielorrússia.
Comentários