Rússia intensifica campanha militar e política nos territórios ocupados (com áudio)

As autoridades pró-Moscovo de quatro regiões da Ucrânia controladas pela Rússia vão organizar referendos para que se possam tornar parte integrante do território russo, medida que, segundo considera a agência Associated Press (AP), pode prolongar a guerra por mais tempo.

Moscovo – 10º lugar

A Rússia intensificou hoje a campanha militar e política para conquistar território ucraniano, pois começou a reunir os reservistas no exército e a preparar a votação para os quatro referendos que começarão a partir de sexta-feira.

As autoridades pró-Moscovo de quatro regiões da Ucrânia controladas pela Rússia vão organizar referendos para que se possam tornar parte integrante do território russo, medida que, segundo considera a agência Associated Press (AP), pode prolongar a guerra por mais tempo, seguindo o “manual” do Kremlin, que anexou a península da Crimeia após uma votação semelhante, em 2014.

No entanto, a maior parte da comunidade internacional considera “ilegal” a anexação da Crimeia.

No campo de batalha, as forças russas e ucranianas trocaram mísseis e barragens de artilharia e ambos os lados se recusaram a ceder terreno, apesar dos recentes reveses militares para Moscovo e o número de vítimas no país invadido após quase sete meses de guerra.

Na Rússia, ativistas antiguerra que protestaram na quarta-feira, depois de o Presidente Vladimir Putin ter ordenado uma mobilização parcial de tropas, disseram que realizariam mais manifestações no fim de semana.

A votação nas regiões de Lugansk, Kherson, Zaporijia e Donetsk, situadas no leste da Ucrânia, está prevista para se prolongar até terça-feira.

Vários líderes políticos internacionais já afirmaram que os resultados dos referendos não serão tidos em conta, pois tudo não passa de uma “farsa” para desviar a atenção da opinião pública, tal como afirmou o chefe de Estado ucraniano, Volodymyr Zelensky, numa altura em que o exército russo tem sofrido vários reveses no terreno.

Em Lugansk surgiram afixados nas ruas cartazes com palavras de ordem como “Com a Rússia Para Sempre” ou “A Nossa Escolha: Rússia”, ao mesmo tempo que voluntários distribuíam fitas e panfletos com as cores da bandeira nacional russa em que se apela a participação no referendo.

No sentido inverso, os ataques com mísseis russos à cidade de Zaporijia, no sul, deixaram uma pessoa morta e cinco outras feridas, segundo reportaram as autoridades locais, com a Ucrânia a responder com um bombardeamento em Donetsk, controlada pelos separatistas, provocando seis vítimas mortais.

No meio das hostilidades, as duas partes conseguiram, ainda assim, chegar a um acordo para a troca de prisioneiros, na mesma altura em que Putin anunciou a mobilização de 300.000 reservistas adicionais para se juntarem ao exército russo que se encontra na Ucrânia.

Quarta-feira, a Ucrânia e a Rússia realizaram a maior troca de prisioneiros militares desde o início da invasão russa no final de fevereiro.

Kiev recuperou dez estrangeiros (cinco britânicos, dois norte-americanos, um marroquino, um sueco e um croata) e 205 ucranianos, incluindo os chefes de defesa da siderúrgica Azovstal, na cidade de Mariupol, símbolo de resistência à invasão russa.

Em troca, Moscovo recebeu 55 russos e um ex-deputado ucraniano Viktor Medvedchuk, considerado próximo do Presidente russo, Vladimir Putin, e acusado de alta traição por Kiev.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,4 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada por Putin com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 5.916 civis mortos e 8.616 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Recomendadas

Rússia sofreu duro golpe político apesar das anexações, diz investigador

Especialista em Rússia, o académico apontou no decurso de um contacto telefónico com a Lusa três aspetos que regem as atuais preocupações de Moscovo: fornecer uma “visibilidade de sucesso” que deve ser discutida a nível interno, criar uma espécie de “nova realidade legal” no terreno que não fracasse, e “incorporar no Exército russo” os habitantes das recentes áreas anexadas.

Embaixador russo em Lisboa diz que anexações são “direito consagrado na Carta da ONU”

O embaixador russo em Lisboa, Mikhail Kamynin, transmitiu hoje ao Governo português que a realização de referendos nas regiões ucranianas anexadas pela Rússia corresponde a “um direito consagrado na Carta das Nações Unidas”.

Governo avisa federação russa em Portugal: “UE adotará medidas restritivas adicionais” devido a anexação de regiões ucranianas

O Ministério dos Negócios Estrangeiros garante que a UE “continuará a apoiar a integridade territorial e a soberania da Ucrânia”, posição que demonstrou, esta segunda-feira, durante reunião com o embaixador da Federação Russa.
Comentários