Rússia investiga incêndio em depósito de petróleo próximo da Ucrânia

O incêndio teve início num armazém da empresa de petrolífera Transneft, situada na cidade de Bryansk, a 154 km da fronteira com a Ucrânia. O ministério dedicado às emergências russas revelou que não houve necessidade de evacuar cidadãos.

A Rússia está a investigar as causas de um incêndio que deflagrou esta segunda-feira, 25 de abril, num armazém da empresa de petrolífera Transneft, situada na cidade de Bryansk, a 154 km da fronteira com a Ucrânia, revela a agência “Reuters”.

O ministério dedicado às situações de emergência na Rússia revelou que não houve necessidade de evacuar cidadãos daquela cidade com cerca de 400 mil habitantes. Por sua vez, o ministério da Energia russa deu conta de que não houve ameaça à distribuição de gasóleo e gasolina na região de Bryansk.

Apesar de não existirem indicações de que este incêndio esteja relacionado com a guerra entre a Rússia e Ucrânia, nas redes sociais da imprensa russa especula-se que o fogo possa ter sido provocado por um ataque com mísseis ucranianos.

Isto porque, as autoridades russas disseram na semana passada que os helicópteros ucranianos atingiram prédios e feriram sete pessoas na região de Bryansk.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Medina com “confiança reforçada” na eleição de Leão para o MEE

O ministro das Finanças, Fernando Medina, disse hoje ter uma “confiança reforçada” nas possibilidades de o seu antecessor, João Leão, ganhar a ‘corrida’ à liderança do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), após a “votação pré-indicativa” no Eurogrupo.

Tribunal de Contas destaca atrasos na implementação de medidas para sustentabilidade financeira do SNS

No relatório de acompanhamento da auditoria às contas do SNS e do Ministério da Saúde, o TdC lembra os atrasos em várias medidas que tem vindo a sugerir desde 2015, sublinhando o seu impacto negativo nas finanças nacionais.
Comentários