Rússia já fechou a torneira do gás a seis países

Moscovo tem vindo a exigir o pagamento do gás em rublos.

Gazprom (43.23 mil milhões)​

A Federação Russa já interrompeu o fornecimento de gás a seis países até ao momento, por não aceitarem o pagamento em rublos, conforme exigido pelo Kremlin.

Esta quarta-feira, a Gazprom anunciou que cessou a entrega de gás à petrolífera dinamarquesa Orsted à Shell Energy pelo seu contrato de fornecimento de gás à Alemanha, que justificou com o facto de as empresas não terem realizado o pagamento do fornecimento em rublos, em linha com a nova exigência do Kremlin.

A gigante do gás russo já tinha interrompido o fornecimento ao comerciante de gás holandês GasTerra, bem como à Bulgária, Polónia e Finlândia que também recusaram pagar o gás em rublos russos.

Contudo, as empresas alemãs, italianas e francesas fizeram saber que se comprometeriam com o esquema de pagamento de Moscovo para garantir a manutenção dos abastecimentos.

De acordo com dados do operador dinamarquês Energinet, o fluxo de gás natural para a Dinamarca através da Alemanha continua estável esta quarta-feira.

No final de março, Vladimir Putin anunciou a assinatura de um decreto que previa a obrigatoriedade do pagamento do gás russo em rublos a partir do dia 1 de abril, consumando a ameaça que havia sido feita durante o mês.

“Para poderem comprar gás natural russo, devem abrir contas em rublos nos bancos russos. É a partir destas contas que serão efetuados os pagamentos do gás entregue a partir de amanhã”, esclareceu Putin numa declaração pública feita pela televisão.

“Se tais pagamentos não forem efetuados, consideraremos que se trata de um incumprimento por parte dos compradores, com todas as consequências daí resultantes. Ninguém nos vende nada de graça, e também não vamos fazer caridade – ou seja, os contratos existentes serão suspensos”, disse o presidente russo.

 

Recomendadas

Zelenskiy alerta membros da NATO que Moscovo procura “nova ordem mundial”

“Esta não é uma guerra travada pela Rússia apenas contra a Ucrânia. Esta é uma guerra pelo direito de ditar as condições na Europa e como será a futura ordem mundial”, afirmou Zelenskiy num discurso por videoconferência durante a cimeira da NATO em Madrid.

PM britânico diz que invasão da Ucrânia é exemplo de “masculinidade tóxica” de Putin (com áudio)

Durante a cimeira da NATO em Madrid, marcada pela guerra na Ucrânia, Johnson garantiu que a Rússia não teria iniciado o conflito caso estivesse uma mulher no lugar de Putin à frente do Kremlin. 

Revista de imprensa internacional: as notícias que estão a marcar a atualidade global

Turquia levanta veto à adesão da Finlândia e da Suécia à NATO; Stoltenberg espera que Suécia e Finlândia se tornem membros da NATO rapidamente; Independência da Escócia: 19 de outubro de 2023 proposto como data para novo referendo
Comentários