Rússia multa Google em 250 mil euros por violar lei de dados de utilizadores russos

A justiça russa multou esta quarta-feira o Google em 15 milhões de rublos (cerca de 250 mil euros), por se recusar repetidamente a armazenar os dados de utilizadores russos em servidores localizados na Rússia, conforme estipulado pela lei do país.

Os subornos da Google

A justiça russa multou esta quarta-feira o Google em 15 milhões de rublos (cerca de 250 mil euros), por se recusar repetidamente a armazenar os dados de utilizadores russos em servidores localizados na Rússia, conforme estipulado pela lei do país.

O Tribunal considerou a gigante norte-americana de serviços ‘online’ culpada de uma violação administrativa por falhar repetidamente as “suas responsabilidades de garantir a cópia, sistematização, recolha e armazenamento de dados pessoais de cidadãos russos em bancos de dados localizados em território russo”, revelou a agência Interfax.

De acordo com o regulador de comunicações russo (Roskomnadzor), cerca de 600 empresas estrangeiras residentes na Rússia, incluindo a Apple, a Microsoft e a Samsung, cumprem atualmente os requisitos da lei russa para armazenar os seus dados em servidores russos.

As empresas ou serviços que se recusarem a cumprir esse requisito podem enfrentar o destino da rede social LinkedIn, que foi bloqueada em 2016 a pedido do Roskomnadzor.

A Justiça russa já multou o Google em várias ocasiões por considerar que publicou “informações falsas” sobre a campanha militar na Ucrânia, em particular notícias sobre o número de vítimas civis em zonas de combate e sobre ligações extremistas que colocam em destaque os cidadãos russos e autoridades do país.

A Rússia anteriormente restringia o acesso a redes sociais como Facebook, Twitter e Instagram e não descarta o bloqueio da plataforma de vídeos online YouTube, que pertence ao Google, e que em meados de março bloqueou canais de informação estatal russos, como os Russia Today (RT), Rossiya 24 ou a agência Sputnik.

Recomendadas

SATA prevê saída de 150 trabalhadores até final de 2023 através de rescisões negociadas

Cerca de 100 trabalhadores já saíram da companhia aérea açoriana SATA desde que foi lançado o primeiro programa de rescisões, em 2020.

Empresas TVDE criaram mais de sete mil empregos em seis anos

Entre 2013, ano anterior ao lançamento da operação da Uber em Portugal, e 2019, o número de empresas no sector (plataformas de transportes de passageiros) cresceu 71%.

Há 45 anos foi vendida a primeira Coca-Cola em Portugal

Foi a 4 de julho de 1977, num café na Baixa de Lisboa. “Não só faz parte da história do país como contribui ativamente para a economia nacional. Por cada euro que é gasto em Coca-Cola, 81 cêntimos permanecem em Portugal”, diz Rui Serpa, diretor em Portugal da Coca-Cola Europacific Partners.
Comentários