Rússia supera Arábia Saudita como principal fornecedor de petróleo à China

Os dados, que expõem a Rússia como principal fornecedor do maior importador de petróleo do mundo, a China, após um intervalo de 19 meses, indicam que Moscovo conseguiu encontrar compradores para o seu petróleo apesar das sanções ocidentais, embora tenha reduzido os preços.

As importações chinesas de petróleo vindo da Rússia aumentaram 55% em relação a 2021, atingiram níveis recorde em maio e superaram a Arábia Saudita como principal fornecedor, dado que as refinarias lucraram com os abastecimentos a preço de saldo fruto das sanções impostas a Moscovo pela invasão à vizinha Ucrânia, revela a “Reuters”.

As importações de petróleo russo, incluindo abastecimentos bombeados pelo oleoduto do Oceano Pacífico da Sibéria Oriental e embarques marítimos dos portos russos da Europa e do Extremo Oriente, totalizaram quase 8,42 milhões de toneladas, segundo dados da Administração Geral de Alfândegas da China – o equivalente 1,98 milhões de barris por dia (bpd) e um quarto acima dos 1,59 milhões de bpd registado em abril.

Os dados, que expõem a Rússia como principal fornecedor do maior importador de petróleo do mundo, a China, após um intervalo de 19 meses, indicam que Moscovo conseguiu encontrar compradores para o seu petróleo apesar das sanções ocidentais, embora tenha reduzido os preços.

Embora a procura da China por petróleo tenha sido atenuada pelas restrições provocadas pela pandemia de Covid-19 e uma economia em desaceleração, os principais importadores, incluindo a gigante Sinopec e a comerciante Zhenhua Oil, intensificaram a compra de petróleo russo mais barato, além de abastecimentos, também sancionados, oriundos do Irão e Venezuela que permitem reduzir a dependência de outros mercados como a África Ocidental ou o Brasil.

A Arábia Saudita surge em segundo lugar na lista de principais fornecedores de petróleo à China, com volumes de maio superiores em 9% face a 2021, o equivalente a 7,82 milhões de toneladas, ou 1,84 milhão de bpd.

Os dados alfandegários divulgados esta segunda-feira, 20 de junho, também mostraram que a China importou 260 mil toneladas de petróleo iraniano no mês passado — a terceira vez que Pequim recorre a este fornecedor desde dezembro de 2021.

Apesar das sanções dos EUA ao Irão, a China continuou a receber petróleo iraniano, regra geral dissimulado como abastecimentos vindos de outros países. Os níveis de importação são equivalentes a 7% das importações totais de petróleo da China.

Recomendadas

Ucrânia precisa de 750 mil milhões de dólares para plano de recuperação

“Hoje, as perdas diretas de infraestrutura da Ucrânia chegam a mais de cem mil milhões de dólares. Quem vai pagar pelo plano de renovação, que já está a ser avaliado em 750 mil milhões?”, questionou o primeiro-ministro do país, Denys Shmygal.

Zelensky nega que Lisichansk esteja sob controlo russo

Ocupar Lisichansk, na zona leste da Ucrânia, permitiria ao Kremlin controlar toda a região de Lugansk, assim como avançar sobre as já ameaçadas cidades de Sloviansk e Kramatorsk, duas importantes cidades controladas pela Ucrânia na zona industrial do Donbass.

Ataques em Sloviansk causam pelo menos seis mortos

A porta-voz para a região de Donetsk (da qual Sloviansk faz parte), Tetiana Ignatchenko, afirmou ao canal televisivo Suspilne que os ataques sofridos causaram “seis mortos e 15 feridos”, reiterando o apelo das autoridades para que os residentes abandonem aquela localidade.
Comentários