Rússia tenta mediar encontro entre Erdogan e Bashar al-Assad

Numa altura em que Turquia ameaça entrar na Síria para perseguir grupos curdos, Moscovo quer que os presidentes dos dois países se encontrem para encontrarem uma solução comum.

Moscovo apoia a ideia de sediar uma reunião entre o presidente turco Recep Erdogan e o seu homólogo sírio, Bashar al-Assad, revelou esta sexta-feira o enviado presidencial da Rússia para a Síria, Alexandr Lavrentyev. “Acreditamos que essa reunião seria genericamente positiva e estamos a trabalhar nesse snetido”, disse, em declarações citadas pelos jornais turcos a uma rede de televisão dos Emirados Árabes Unidos.

“Um contato entre Erdogan e Assad não depende de tempo, mas de vontade”, argumentou, para enfatizar que “há uma vontade mútua, temos sinais nesse sentido do presidente Erdogan”.

O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Mikhail Bogdanov, também se referiu ao mesmo tema. “Estamos prontos para esta reunião, que seria acertada., mas no entanto ainda não foi dado um passo concreto a nível político. Tudo depende da vontade dos dois lados, não estamos a impor nada a ninguém”.

O porta-voz do Kremlin, Dmitriy Peskov, também se referiu ao assunto na conferência de imprensa diária, afirmando que “há essa possibilidade, embora nada esteja certo”, para concluir que Vladimir Putin apoia as movimentações para que o encontro se efetive.

Erdogan disse esta semana que Ancara veria como um benefício para a região o desenvolvimento de relações entre a Turquia e a Síria – no mesmo quadro em que a Turquia Türkiye desenvolveu laços com o Egipto”.

As movimentações diplomáticas dão-se num quadro em que o líder turco assegurou que o seu país está a preparar uma operação militar terrestre no norte da Síria contra o grupo curdo PKK e a sua ramificação síria, o YPG. Depois deste anúncio, a Rússia -o país que mais suporte fornece ao regime sírio – pediu para que as partes envolvidas fizessem descer a tensão na região. Lavrentyev pediu a Ancara para “exercer com moderação” o uso de força militar na Síria. “Esperamos convencer os nossos parceiros turcos a absterem-se de usar força excessiva em território sírio”, disse

Os jornais turcos afirmam que representantes da Turquia e membros do regime sírio e da oposição conversaram esta semana em Astana, capital do Cazaquistão, na presença de representantes da da Rússia e do Irão, países que se encarregam de gerir o processo de paz estabelecido na Síria. Do encontro saiu o comprometimento de “resistir aos planos separatistas, que visam minar a soberania e a integridade territorial da Síria e ameaçar a segurança nacional dos países vizinhos”.

Mas os envolvidos parecem propositadamente ter misturado duas realidades que nada têm a ver uma com a outra: os grupos curdos por um lado, e o Estado Islâmico e suas metástases, por outro.

Recorde-se que o apoio da Turquia tem sido vital para sustentar a oposição moderada que restou na Síria depois de 10 anos de guerra civil e que se encontra concentrada no noroeste do país, depois de al-Assad a ter feito desaparecer no resto do país, auxiliado pela Rússia e pelo Irão.

Relacionadas

Turquia continua a abrir caminho para investida sobre os curdos

Depois da mundo islâmico, a Turquia quer convencer a NATO de que os curdos são um problema que tem de ser resolvido em definitivo. O ministro turco dos Negócios Estrangeiros reuniu com homólogos da Suécia e Finlândia na cimeira da NATO na Roménia.

Erdogan pede ao islão para se envolver na Síria

Recep Erdogan está a fazer todos os esforços para escorar a sua eminente entrada na Síria para perseguir os curdos, que considera terroristas. E quer acomodar essa vontade nos interesses do mundo muçulmano.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Farmácias europeias com falta de medicamentos. Antibióticos entre as maiores falhas de stock

Já são vários os países que sentem a falta de alguns medicamentos, nomeadamente de analgésicos e antibióticos.

Boris Johnson diz que Putin ameaçou Reino Unido com ataque de mísseis antes de invadir Ucrânia

O antigo primeiro-ministro britânico afirma duvidar da veracidade das ameaças de Putin, que o Kremlin se encarregou já de desmentir, e confirma ter dado garantias a Moscovo de que a Ucrânia não estaria prestes a aderir à NATO.
Comentários