Rússia vota contra envio de missão de observadores para Alepo

A Rússia está disposta a usar o seu direito de veto no Conselho de Segurança da ONU para bloquear a proposta de resolução francesa.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas vota hoje uma resolução que prevê o envio de uma missão especial para Alepo para monitorizar a evacuação da cidade e garantir a segurança de quem não pretende abandoná-la. Mas o embaixador da Rússia na ONU, Vitaly Churkin, já afirmou que vai vetar a o documento, proposto pela França.

Para Vitaly Churkin, esta resolução não pode passar porque é “um desastre”. Porém, o responsável russo garantiu que há outra coisa que pode ser adotada, este domingo, pela ONU, com os mesmos objectivos, mas não adiantou mais nada.

“Não podemos permitir que passe, porque é desastrosa”, afirmou hoje à comunicação social o embaixador russo, citado pela agência France Presse.

Na sexta-feira, a França avançou com uma proposta de resolução, em que afirma que o Conselho de Segurança está “alarmado” com a deterioração da crise humanitária em Alepo e com o facto de “dezenas de milhares de habitantes sitiados” enfrentarem necessidades de ajuda e resgate.

A Rússia vetou já seis resoluções sobre a Síria desde o início do conflito em 2011.

Recomendadas

Moldova mantém neutralidade mas irá fortalecer a cooperação com a NATO

A Moldova manterá a neutralidade, mas aprofundará a sua cooperação com a NATO para garantir a sua capacidade defensiva, declarou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova, Nicu Popescu.

Espanha e Alemanha reúnem-se em cimeira pela primeira vez desde 2013

Espanha e Alemanha celebram na quarta-feira a primeira cimeira bilateral em nove anos, que coincide com um momento de sintonia entre os dois executivos em projetos como o do gasoduto para ligar a Península Ibérica à Europa central.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.
Comentários