Russos querem principal opositor de Vladimir Putin a concorrer às presidenciais de 2018

Os protestos a favor de Alexei Navalny, o principal opositor do presidente da Rússia, surgiram um dia depois de Vladimir Putin ter recebido o apoio do partido Rússia Unida para as eleições de 18 de março do próximo ano.

Reuters

Vários apoiantes de Alexei Navalny, o principal opositor do presidente da Rússia, Vladimir Putin, saíram às ruas em dezenas de cidades russas a exigir que Alexei Navalny possa ser candidato às próximas eleições no país. Os protestos surgiram um dia depois de Vladimir Putin ter recebido o apoio do partido Rússia Unida para as eleições de 18 de março do próximo ano.

Vladimir Putin é favorito na corrida às presidenciais do próximo ano, mas entre os russos nem todos estão satisfeitos com estas previsões. Nas ruas da capital russa, Moscovo, e em outra cidades do país, como Vladivostok, Irkoutsk, Rostov-sur-le-Don e Sampetersburgo, levantaram-se várias vozes de apoio à candidatura de Alexei Navalny, conhecido por ser o rosto mais crítico da governação de Vladimir Putin, que acusa de crimes de corrupção e abuso de poder.

“Este homem deve ser presidente ou poder participar pelo menos num debate em que possa suscitar questões difíceis”, disse Youri Bertchenko, um dos cidadãos russo que aderiu à manifestação. “Se Navalny não for autorizado a concorrer, não irei votar. Não há mais ninguém que queira ver como presidente”, afirmou Marina Kourbatskaïa, outra das apoiantes de Alexei Navalny em declarações à APF.

Só este ano, Alexei Navalny foi preso três vezes por organizar protestos não autorizados no país e está impedido de se apresentar a eleições até pelo menos ao ano de 2028. “A lei diz que precisamos somente de um grupo de pelo menos 500 pessoas, mas nós convocámos 20 (assembleias) em 20 cidades”, escreveu Alexei Navalny na sua página na Internet.

Se Vladimir Putin ganhar as eleições do próximo ano, vai dar início a um quarto mandato como presidente da Rússia.

Recomendadas

Coreia do Norte lança mais dois mísseis balísticos de curto alcance

O destacamento do porta-aviões norte-americano surgiu em resposta ao anterior lançamento por parte de Pyongyang de um míssil de capacidade nuclear sobre o Japão.

Aviões chineses no espaço aéreo de Taiwan seria “ataque contra o país”, diz ministro da defesa de Taiwan

O ministro fez esta observação na quarta-feira, durante uma reunião do Comité de Defesa Nacional da Câmara Legislativa da ilha.

Independentistas catalães consultam militantes sobre continuidade no governo regional

Os dois partidos independentistas no governo regional, Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) e JxCat, assumiram publicamente na semana passada a rutura, por discordarem no caminho para a independência, cinco anos depois do referendo de 1 de outubro de 2017, considerado ilegal por Madrid, e da tentativa de autodeterminação.
Comentários