Ryanair quer liderar o mercado português

Voltar aos lucros, ter uma base técnica no Porto e sete aviões em Lisboa é a orientação estratégica que a Ryanair quer seguir para continuar a praticar as tarifas mais baixas disponibilizadas aos passageiros portugueses, defende o presidente da companhia low cost irlandesa.

“Queremos ter sete aviões em Lisboa e uma base de manutenção no Porto e para treino das tripulações, sabendo que vamos transportar mais de 13 milhões de passageiros de e para Portugal em 2022, pelo que vamos ultrapassar a TAP”, afirmou o presidente executivo da Ryanair, Michael O’Leary, na conferência de imprensa que se realizou esta manhã de quarta-feira, 25 de maio, em Lisboa.

“Enquanto a TAP reduz a frota e a easyJet cancela voos, a Ryanair continua a crescer, tem intenção de abrir mais uma base técnica na península Ibérica – esperamos que essa nova base seja no Porto – e queremos voltar aos lucros no início do próximo ano”, referiu o gestor.

Michael O’Leary recordou que “a TAP tem de libertar os 18 slots em outubro de 2022, sabendo que a Ryanair está a crescer a um ritmo acelerado com os seus 73 novos Boeing 737 Gamecharger, que consomem menos 16% de combustíveis, provocam menos 40% de ruído e transportam mais 4% de passageiros, o que permitiu aumentar a sua atividade para 115% dos níveis concretizados antes da pandemia de covid, o que não acontece nem com a TAP nem com a easyJet”, sublinha. No entanto, não detalhou os dados técnicos dos referidos slots.

“Sem ser a Ryanair, as restantes companhias aéreas parece que não conseguem crescer em Lisboa”, adianta Michael O’Leary, razão pela qual insiste junto do Governo português na importância de atribuir os 18 slots da TAP à Ryanair, pois “sabemos que estamos a investir de forma estável e consolidada no crescimento do turismo em Portugal, garantindo um nível de atividade muito elevado até durante o Inverno, o que não acontece com a generalidade dos nossos concorrentes”.

Essa é a razão pela qual o presidente ad Ryanair considera fundamental “começar rapidamente as obras no aeroporto do Montijo e para abrir depressa esta infraestrutura” de forma a assegurar a possibilidade de manter o crescimento do tráfego na zona de Lisboa.

No mesmo sentido, O’Leary considera que “está completamente fora de questão que a Ryanair seja confrontada com greves durante o próximo verão, porque todas as reuniões com os sindicatos têm corrido bem e estamos a evoluir no sentido de ficaram ultrapassadas as questões laborais que os sindicatos reivindicam”, diz.

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) tinha referido ao Jornal Económico – antes de ser iniciada a conferencia de imprensa de Michael O’Leary –, a lista das questões pendentes que tinham sido abordadas numa recente reunião com sete organizações sindicais ocorrida em Bruxelas, manifestando apreensão em relação aos direitos laborais que a Ryanair não garantia aos tripulantes de cabina, sublinhando que tinha de “acabar a gestão por medo” na companhia irlandesa. O SNPVAC recorda que a Ryanair “insistiu que a legislação europeia e nacional pode ser negociada”, quando os sindicatos defendem que “os direitos básicos de um trabalhador não serão sujeitos a negociação”. Um dos problemas identificado pelo sindicato refere-se à “situação gritante dos tripulantes trabalharem sem acesso a água a bordo”, além de que não têm proteção adequada “em matéria de saúde e segurança no local de trabalho”, queixando-se de “falta de transparência nos sistemas de transferências e nas promoções de carreira, sendo estas frequentemente utilizadas como forma de intimidação aos trabalhadores”. Mas em Lisboa, Michael O’Leary garantiu que as negociações com os sindicatos estavam a progredir bem e que não previa que a Ryanair fosse confrontada com greves no próximo verão.

Para Michael O’Leary é muito importante assegurar a consolidação do crescimento que a Ryanair diz que está a ter, desenvolvendo novas rotas – já opera atualmente mais 19 rotas no mercado pare e de Portugal –, e “derrotou o duopólio de tarifas elevadas da TAP e da EasyJet praticado para o mercado da Madeira, onde bateu um novo recorde de passageiros transportados, fruto da nova base da Ryanair aberta na Madeira”.

“A Ryanair voltará a ter sete aeronaves em Lisboa em outubro”, antecipa O’Leary, além de que “vamos contratar mais 50 profissionais de IT portugueses, numa fase em que estamoa a ponderar a possibilidade de abrir uma base técnica no Porto, para manutenção e treino de tripulações, o que está em linha com o nosso desempenho, que confirma o transporte de mais de 13 milhões de passageiros de e para Portugal”, comenta o presidente executivo da companhia irlandesa. “Continuamos a praticar as tarifas mais competitivas para o mercado português”, refere O’Leary e a perspetiva de aumentar o número de slots da Ryanair no próximo Inverno “ainda aumentará a capacidade de continuar a baixar as tarifas”.

Refira-se que a Ryanair apresentou perdas de 355 milhões de euros no último ano, enquanto o seu volume de negócios quase triplicou em 2021 (para 1640 milhões de euros), praticando preços médios 27% mais baixos. Na sua operação global, a Ryanair transportou 97,1 milhões de passageiros (contra 27,5 milhões de passageiros em 2020), reduzindo o prejuízo em 460 milhões de euros, pois no exercício anterior tinha apresentado perdas de 815 milhões de euros.

Recomendadas

Bruxelas quer emitir 50 mil milhões de euros em obrigações para financiar NextGenerationEU

Bruxelas anunciou o programa de financiamento para entre julho e dezembro.

Aeroporto do Porto distinguido como “Best European Airport”

O prémio foi entregue pela organização internacional dos aeroportos, refere-se à categoria de 10-25 milhões de passageiros e destaca a qualidade do serviço, de acordo com um comunicado de imprensa da ANA Aeroportos de Portugal.

BdP rejeita subida significativa do incumprimento no crédito à habitação

Questionado sobre se espera um aumento do incumprimento das famílias no crédito habitação, devido ao aumento das taxas de juro, uma vez que a maioria daquele tipo de crédito em Portugal é contratualizado com taxas variáveis, Mário Centeno disse que “a resposta breve é não”.
Comentários