Sabadell lucra quase três vezes mais no primeiro trimestre do ano

O Sabadell encerrou o primeiro trimestre de 2022 com um lucro líquido atribuído de 213 milhões de euros, que compara com os 73 milhões de euros de lucro no mesmo período de 2021 e representa um aumento de quase três vezes (+191,9%).

O banco espanhol Sabadell lucrou quase três vezes mais no primeiro trimestre do ano.

O Sabadell encerrou o primeiro trimestre de 2022 com um lucro líquido atribuído de 213 milhões de euros, que compara com os 73 milhões de euros de lucro no mesmo período de 2021 e representa um aumento de quase três vezes (+191,9%). A margem recorrente do banco (margem financeira + comissões – custos recorrentes) aumentou 20,9%  num ano. O banco atingiu um ROTE de 6,5%, acima do previsto no plano estratégico.

Após um ano à frente da entidade, o CEO, César González-Bueno, referiu ao Bolsamania que “iniciamos o ano melhorando todas as margens e continuando a melhorar a redução de custos após a conclusão do plano de eficiência. E tudo isso, com a consolidação da contribuição positiva da TSB. Sem dúvida, fechamos um bom trimestre para o Banco Sabadell e estamos no caminho certo para cumprir todas as nossas metas estabelecidas para este ano”.

Leopoldo Alvear, administrador financeiro do Sabadell, destaca o “aumento de mais de 20% na margem recorrente, níveis estáveis ​​de inadimplência e uma melhora substancial nos índices de capital do banco. Estamos cumprindo nosso road map trimestre a trimestre”.

As receitas do negócio bancário (margem de juros + comissões líquidas) atingiram 1.217 milhões, mais 3,6% em termos homólogos. Em relação ao trimestre anterior, caíram 3,5%. A margem financeira aumentou 3,0% num ano para 858 milhões, principalmente devido ao crescimento do volume, enquanto no trimestre diminuiu 0,6% devido a menos dias.

As comissões líquidas situaram-se em 359 milhões de euros, o que representa um crescimento de 5,0% devido ao bom desempenho das comissões de serviço e gestão de ativos.

Os custos totais ascenderam a 726 milhões de euros em março de 2022 e diminuíram 5,6% no ano, principalmente devido à economia de gastos com pessoal após a realização dos planos de eficiência, bem como uma redução nas despesas gerais.

No trimestre, os custos totais também caíram 4,3%, e a previsão é que se observe uma maior redução em trimestres sucessivos com uma economia estimada de 110 milhões de euros em 2022 (130 milhões por ano a partir de 2023).

Recomendadas

PremiumFim do protocolo com a Coleção Berardo não é prejudicial à banca

A denúncia do contrato, anunciada pelo Ministério da Cultura, vai entrar em vigor em janeiro de 2023. Mas, segundo apurou o JE, a banca considera que esta decisão do Governo não lhe é prejudicial.

CGD propõe distribuir dividendo adicional de 137 milhões de euros

O banco público explica que “dispõe de uma situação financeira robusta, pelo que a alteração do montante a entregar ao acionista não prejudica a sua capacidade de cumprir com os requisitos legais e regulamentares”.

Ucrânia: Moscovo restringe ação dos bancos italianos Intesa Sanpaolo e UniCredit

O banco central da Federação Russa impôs restrições temporárias às contas bancárias de empresas e cidadãos italianos das filiais locais do Intesa Sanpaolo e UniCredit, disseram à Efe fontes conhecedoras do caso.
Comentários