Saber criar e gerir expectativas para conter a inflação

Mais vale actuar de imediato do que deixar à solta uma inflação já cavada, esperando que a guerra termine, com a agravante de, no entretanto, serem alimentadas expectativas inflacionistas mais fortes que se tornarão mais difíceis de controlar.

Habituados há anos a conviver com níveis baixos de inflação – até como pré-requisito para a adesão à Zona Euro – eis que agora levantamos as mãos à cabeça por defrontarmos uma inflação, aliás fenómeno generalizado nas economias, que em Portugal se situa marginalmente à volta dos 8%!

Situação esta atribuída a causas específicas que têm directamente a ver com a guerra na Ucrânia e consequentes efeitos no custo da energia e de certos produtos alimentares de base. Mas o certo é que esta tendência inflacionista já vinha de trás, na sequência do combate à pandemia, que injectou liquidez artificial nas economias para a respectiva sobrevivência, e na subsequente disrupção nas cadeias de produção e distribuição do lado da oferta. Ao que, de certa forma acresce a própria política de pendor expansionista desencadeada há anos pelo Banco Central Europeu (BCE), no sentido da salvar o euro no pós-crise das dívidas soberanas, facto que muito ajudou economias do euro fortemente endividadas como a nossa.

Tendo em conta a dimensão e duração da guerra em curso, não vale a pena tomar atitudes passivas de deixar que a guerra passe, convictos de que com tal abrandarão de imediato as pressões inflacionistas. É que a inflação tem exercido contágio sobre outros diversos bens e poderá correr o risco de se converter numa espiral mais ou menos generalizada.

Há, pois, que, com muita rapidez, entrar em acção. Para além das medidas de mitigação dos efeitos sociais – outras medidas nos domínios das políticas monetária (da responsabilidade do BCE na sua missão central de estabilizar os preços), orçamental e de rendimentos e preços. Neste domínio, o Governo tem razão ao insistir numa política convergente e complementar de contas certas, aliás aspecto decisivo se porventura o BCE vier a implementar instrumentos de protecção de subidas de juros aplicáveis a países com peso mais relevante da dívida pública.

Da parte do BCE esperava-se já um pouco tardiamente (decisão finalmente tomada em 21 Julho p.p. e mais musculada do que estava previsto) uma consistente – ainda que faseada – subida das taxas de juro de referência, tendo a consciência dos efeitos recessivos a curto prazo que se sentirão no nível do produto e na taxa de desemprego. Mas, mais vale actuar de imediato, do que deixar à solta uma inflação já cavada esperando que a guerra termine, com a agravante de, no entretanto, serem alimentadas expectativas inflacionistas mais fortes que se tornarão mais difíceis de controlar, e que, certamente, terão efeitos ainda mais nefastos na perda de rendimentos e da competitividade da economia em geral.

Vivemos agora entre nós numa situação algo singular, dado que ainda assistimos na economia portuguesa a um bom ritmo de crescimento do produto, aliado a uma baixa taxa de desemprego. Pois bem, está na altura – designadamente através da política monetária veiculada pelo BCE – de assumir o trade off inevitável (de sentido oposto) entre crescimento económico e nível de desemprego, mas ainda numa situação sem grandes dramatismos.

Se, numa visão de curto prazo, tal se afigura inevitável, podemos interrogar-nos se, numa visão mais a prazo, poderão ir sendo criadas expectativas de contenção sustentada da inflação, desde que assentes em políticas credíveis, sem ambiguidades e compreendidas pela população em geral. Já se questionaram, ainda que noutro contexto, como Portugal  nos anos 90 – tendo como desígnio a adesão à Zona Euro – soube criar expectativas de descida da inflação sem que tivesse que suportar níveis intoleráveis de evolução do produto e do desemprego?

Se puderem ser criadas tais expectativas consistentes, e se elas forem incorporadas o mais rápido possível pelos agentes económicos nas suas decisões, então poderá vislumbrar-se uma contenção  do ciclo de alta de preços. Trata-se de um domínio da economia comportamental a que a gestão da política económica não pode estar alheia, e que exige alguma mestria e persistência.

O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

Pode Portugal ser um líder no Empreendedorismo Social?

Embora este continue a ser um tema complexo, foram os esforços da sociedade civil que abriram caminho para uma ação política concessiva, mas ainda longe de encorajadora, do lançamento de novos tipos de organizações.

Minhas senhoras, parir só depois das férias!

Vamos todos a banhos, mas esquecemo-nos que nesta guerra novelesca quem está a sofrer, em muitos casos gravemente, são as mulheres que menor possibilidade de escolha têm e, em fim de linha, os bebés.

A degradação dos serviços públicos em Portugal

O caos no sistema de Saúde é apenas um exemplo visível daquilo que está a acontecer nos serviços públicos como um todo.
Comentários