SAG Gest perde quota e reduz faturação

Grupo de venda de automóveis regista a redução “importante” do endividamento consolidado.

O mercado automóvel português manteve nos três primeiros trimestres de 2016 a trajectória de crescimento dos anos anteriores, com um aumento de 15% em relação ao mesmo período de 2015, mas o volume registado pelas marcas representadas pela SIVA, da SAG Gest,  foi de 23.930 unidades, o que representou uma redução de 2,4% em relação às 24.506 unidades dos primeiros nove meses de 2015.

Nesse quadro, o volume de negócios consolidado do grupo de venda de automóveis SAG Gest, nos primeiros nove meses de 2016, foi 460,8 milhões de euros, representando uma redução marginal de 0,8% em relação ao valor do período homólogo do ano passado, 464,7 milhões. Mas, “apesar da redução, o valor da margem efectiva consolidada registou um aumento de 1,3% em relação ao valor registado no período de nove meses findo em 30 de Setembro de 2015, correspondendo a 10,5% do volume de negócios”, refere o grupo em comunicado enviado à CMVM.

Por outro lado, os custos operacionais aumentaram cerca de 0,7% em relação ao valor registado nos primeiros nove meses de 2015, pelo que “o EBITDA consolidado dos primeiros três trimestres de 2016 (14,8 milhões de euros) registou um aumento de 2,6% em relação ao valor de 14,4 milhões registado no mesmo período de 2015”. O resultado antes de Juros e Impostos foi de 13,3 milhões, representando um aumento de 5,7% em relação aos cerca de 12,6 milhões dos primeiros nove meses de 2015.

Entretanto, o custo financeiro líquido consolidado apresentou uma significativa redução de cerca de 6,6 milhões de euros em relação ao valor dos três primeiros trimestres de 2015, que resultou da “importante redução do endividamento consolidado, que ocorreu no âmbito da operação de capitalização da SAG Gest realizada em Dezembro de 2015”, diz ainda o comunicado.

Recomendadas

OE2023. Maioria dos empresários defende mexidas no IRS

Inquérito da consultora EY conclui que mais de 90% dos empresários defende alterações no IRS para mitigar efeitos da inflação – essencial para suportar o consumo privado. Empresas continuam a dar nota negativa ao sistema fiscal português e face à crise energética sinalizam como medidas prioritárias a descida do IRC e do IVA sobre todos os escalões de consumo de eletricidade consideradas.

OE2023: Conselho de Ministros extraordinário discute documento na terça-feira

O Governo discute em Conselho de Ministros extraordinário na terça-feira a proposta de Orçamento do Estado para 2023, numa reunião que marca o começo do processo de aprovação do documento, que é entregue ao parlamento na segunda-feira.

Mercado Automóvel em Portugal cai 34,7% até setembro

Apesar do mercado automóvel ter caído entre janeiro e setembro, foram matriculados mais 12,8% automóveis no mês passado do que em período homólogo de 2021.
Comentários