Saiba como será a tomada de posse de Jair Bolsonaro

A cerimónia de posse Jair Bolsonaro, que se tornará na terça-feira o 38.º Presidente do Brasil, deverá reunir meio milhão de pessoas em Brasília.

De acordo com o gabinete, ligado à defesa da Presidência do Brasil, cerca de 500 mil pessoas devem participar nos eventos de posse de Bolsonaro, que ocorrem na Esplanada dos Ministérios, zona central da capital Brasília.
Tradicionalmente nas cerimónias de posse presidencial do país é utilizado um carro modelo Rolls-Royce que serve a Presidência da República desde 1952, em que o chefe de Estado fica exposto e acena para o público.

No entanto, a preocupação com a segurança é maior este ano porque Bolsonaro sofreu um atentado em julho de 2018 quando ainda disputava as presidenciais e o uso do carro não foi confirmado, avança a imprensa brasileira
Os organizadores dos eventos da posse anunciaram que farão também uma revista com detetor de metais e divulgaram uma lista de proibições para o público.

Aqueles que pretendem acompanhar o cortejo de Bolsonaro não poderão ter mochilas, bolsas, carrinhos de bebé ou guarda-chuvas, bebidas alcoólicas, garrafas, fogo de artifício, apontadores de laser, animais, máscaras, produtos inflamáveis, armas de fogo, objetos cortantes e drones. Estas restrições aplicam-se numa extensa área de segurança.

As cerimónias

No Brasil, o evento de posse envolve diversas cerimónias. A primeira será uma missa na Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida, em Brasília, que este ano foi alterada para apenas um encontro no local, sem a realização de culto, de Bolsonaro com o vice-Presidente eleito, Hamilton Mourão, marcada para as 14:30 (16:30 em Lisboa).
Em seguida, Bolsonaro segue para o Congresso Nacional, onde será recebido pelos presidentes da Câmara dos Deputados (câmara baixa parlamentar), Rodrigo Maia, e do Senado (câmara alta parlamentar), Eunício Oliveira.

É no Congresso que Bolsonaro irá tornar-se oficialmente o novo Presidente do Brasil, onde, com honras militares, o primeiro-secretário da Mesa do Congresso faz a leitura do termo de posse e o Presidente do Congresso, Eunício Oliveira, declara a posse.

Já como Presidente, Bolsonaro faz o primeiro discurso à nação perante os parlamentares. Em seguida, deixará o Congresso e seguirá para o Palácio do Planalto, onde será recebido por seu antecessor, Michel Temer.

No alto da rampa do palácio, haverá a entrega da faixa presidencial ao Presidente eleito. Após a transmissão da faixa, Bolsonaro faz um segundo discurso para a população presente. É no Palácio do Planalto que os restantes membros do Governo também são empossados.

O dia termina com um jantar no Palácio do Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores, com uma receção para as missões especiais estrangeiras e as altas autoridades da República brasileira.

A China confirmou a presença de Ji Bingxuan, vice-presidente do Comitê Permanente do Congresso Nacional do Povo (o órgão legislativo) como enviado especial do Presidente chinês, Xi Jinping.

O Governo dos Estados Unidos será representado pelo secretário de Estado, Mike Pompeo, que lidera a diplomacia norte-americana.

Relacionadas

Marcelo Rebelo de Sousa vai estar presente na tomada de posse de Bolsonaro

A cerimónia está agendada para o primeiro dia de 2019, em Brasília.

Meio milhão de pessoas esperadas em Brasília para a tomada de posse de Bolsonaro

Bolsonaro, líder brasileiro de extrema-direita que venceu as eleições em outubro passado, será empossado a 1 de janeiro sob um forte esquema de segurança.

Cinco militares e apenas duas mulheres. Conheça os 22 ministros escolhidos por Bolsonaro

O presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, já escolheu os 22 ministros que vão integrar a sua equipa no Palácio do Planalto. Veja quem são os nomes escolhidos.
Recomendadas

Mundial2022: Qatar condena campanha “infundada” em resposta a críticas do PE

O Qatar condenou a resolução adotada na semana passada pelo Parlamento Europeu (PE) criticando a sua escolha como sede do Mundial de futebol em curso e denunciou uma campanha “infundada” assente em “acusações falsas e informação enganosa”.

Covid-19: Human Rights Watch pede respeito pelos direitos de manifestantes na China

A Human Rights Watch defendeu hoje que o Governo chinês deve respeitar os direitos de todos aqueles que protestam pacificamente contra as restrições no combate à pandemia de covid-19.

Sociedade civil são-tomense pede investigação internacional a “triste episódio” com quatro mortos

A sociedade civil são-tomense pediu hoje aos parceiros de cooperação uma “investigação internacional urgente” sobre o “triste episódio” do ataque ao quartel militar, na sexta-feira, em que morreram quatro pessoas, alegadamente após “agressão e tortura”.
Comentários