Saiba quanto vai aumentar o seu passe a 1 de janeiro

O Instituto da Mobilidade e dos Transportes procedeu à atualização dos preços dos transportes públicos coletivos rodoviários de passageiros para o próximo ano.

O Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMTT) procedeu à atualização dos preços dos transportes públicos coletivos rodoviários de passageiros para o próximo ano. De acordo com a nova tabela, divulgada esta quarta-feira, 13 de dezembro, o passe urbano de Lisboa vai aumentar 50 cêntimos a 1 de janeiro e terá um custo mensal de 36,70 euros.

Trata-se de uma subida menos significativa do que a desde ano, uma vez que de 2016 para 2017 o passe Navegante Urbano subiu 55 cêntimos, passando a custar os (ainda) atuais 36,20 euros.

O novo preço surge na sequência do despacho n.º 21-A/2017, de 11 de dezembro, dos Ministérios das Finanças, do Planeamento e das Infraestruturas e do Ambiente. “Os preços em vigor respeitantes aos títulos constantes da tabela anexa à Portaria n.º 241-A/2013, de 31 de julho, que regula o sistema de passes intermodais e as condições de disponibilização destes títulos de transporte na Área Metropolitana de Lisboa são, por conseguinte, também atualizados”, argumenta o IMTT.

Ontem, a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) emitiu o parecer sobre a proposta de despacho normativo que fixa em 2% a percentagem máxima de aumento médio de atualização em 2018 dos preços praticados para os bilhetes relativos aos transportes coletivos. No documento do regulador, a confirmar a subida, pode ler-se: “A AMT considera que o despacho normativo está em conformidade com o atual enquadramento legal, e vem facilitar a intervenção das entidades públicas e a articulação entre estas e os operadores”.

 

Recomendadas

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.

Alemanha não vai seguir “política fiscal expansionista” do Reino Unido

O Governo alemão anunciou um fundo de 200 mil milhões de euros destinado a proteger consumidores e empresas do aumento dos preços do gás impulsionado pela guerra na Ucrânia.
Comentários