Paris. Terrorista suicida explode nos arredores da cidade

Uma mulher suicidou-se com uma carga de explosivos durante uma operação policial no bairro de Saint-Denis nos subúrbios de Paris.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Uma mulher suicidou-se com uma carga de explosivos no bairro de Saint-Denis nos subúrbios de Paris, durante uma operação policial de larga escala, esta quarta-feira. Era alegadamente uma jihadista.

A operação policial desta manhã no bairro de Saint-Denis, a norte da capital francesa, já terminou e terão perecido uma ou duas pessoas, de acordo com a imprensa online. Foram feitas sete detenções e há vários feridos no terreno.

O objetivo da operação era capturar Abdelhamid Abaaoud, cérebro dos ataques terroristas de sexta-feira que mataram 129 pessoas. Durante o assalto vários agentes foram feridos e para além da mulher que se fez explodir, poderá haver outra baixa, de acordo com a polícia, citada pelo El País.

A SIC Notícias avança que a operação terá sido espoletada por suspeitas da preparação de um novo ataque. “Foi montado um cerco a um apartamento onde estaria pelo menos outro suspeito encurralado, que poderia ser Abdelhamid Abaaoud, o alegado cérebro dos ataques”, avança o canal de notícias português.

O Governo francês anunciou entretanto que a operação já terminou, refere a SIC Notícias.

OJE

Recomendadas

Desflorestação na Amazónia cai pela primeira vez no Governo de Bolsonaro

A Amazónia brasileira perdeu 11.568 km2 de cobertura vegetal entre agosto de 2021 e julho de 2022, menos 11,3% que a devastada no ano anterior. É a primeira redução do desmatamento desde que Jair Bolsonaro chegou ao poder.

Israel: Netanyahu garante que vai manter a controlo sobre a extrema-direita

Primeiro-ministro designado insiste que os radicais com que formará governo não vão tomar o poder nas suas mãos. “Israel não será governado pelo Talmud”. A incógnita é o que acontecerá com o seu julgamento por corrupção.

Parlamento alemão define como genocídio a “grande fome” na Ucrânia

O parlamento alemão aprovou uma resolução que define de genocídio o ‘Holodomor´’, a “grande fome” que atingiu a Ucrânia em 1932-1933 e que terá vitimado mais de três milhões de ucranianos.