Sair do défice excessivo é do “estrito interesse nacional”, defende António Costa

Primeiro-ministro compromete-se a não aumentar despesa nem diminuir receita até ao fim do ano

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu que é do “estrito interesse nacional” que Portugal possa sair do procedimento por défice excessivo e comprometeu-se, nesse objetivo, a não aumentar despesa nem diminuir receita até ao fim do ano.

“É do estrito interesse nacional que nada aconteça nestes próximos 29 dias que possa perturbar um objetivo que todo o país comunga, que é que o país possa sair do procedimento por défice excessivo. Portanto, este Governo nos próximos 29 dias tudo fará para nem diminuir receita nem aumentar despesa relativamente ao ponto em que estávamos no dia em que tomámos posse”, afirmou António Costa.

O chefe do executivo falava no parlamento, durante a apresentação do Programa do XXI Governo Constitucional, em resposta ao líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, que o questionou sobre o objetivo de o défice ficar abaixo dos 3% para que Portugal possam deixar de estar sujeito às regras que se aplicam aos países com défice excessivo.

Na introdução à pergunta, Nuno Magalhães saudou António Costa como primeiro-ministro que não venceu as eleições e na resposta o líder do executivo cumprimentou toda a bancada centrista e afirmou: “Não classifico como vencedor ou perdedor porque já não me lembro desde quando o CDS vai a votos”.

“Permita-me que procure atenuar o seu ar algo tenso com uma pequena nota de humor. É verdade que fui eu que negociei com o PCP, mas pelos vistos foram os senhores que ficaram com a cassete”, acrescentou António Costa para reiterar que a maioria de esquerda não se limitou a deitar abaixo o anterior governo, mas constituiu-se como alternativa.

OJE

Recomendadas

Costa pede novas regras fiscais europeias que permitam investimentos estratégicos

Quando a União Europeia debate uma revisão das regras fiscais e financeiras o primeiro-ministro, António Costa, considera que existe uma proposta da Comissão que já tem “contributos muito positivos”, no entanto, é necessário, para além desses contributos, “um estabilizador macroeconómico permanente”, para “estabilização em situações de crise”.

Detida vice-presidente do Parlamento Europeu em investigação de lóbi ilegal do Qatar

A social-democrata grega Eva Kaili, está entre os cinco detidos na Bélgica no âmbito de uma investigação sobre alegado lóbi ilegal do Qatar para influenciar decisões políticas em Estrasburgo, diz a imprensa belga.

Eutanásia: Montenegro reitera dúvidas e diz que PS e Chega são “cúmplices no medo do referendo”

A Assembleia da República aprovou a despenalização da morte medicamente assistida em votação final global, pela terceira vez, com votos a favor da maioria da bancada do PS, da IL, do BE, dos deputados únicos do PAN e Livre e ainda de seis parlamentares do PSD. Votaram contra a maioria da bancada do PSD, os grupos parlamentares do Chega e do PCP e seis deputados do PS, registando-se três abstenções entre os sociais-democratas e uma na bancada socialista.