Salário de diretor do novo SEF pode chegar a oito mil euros

O vencimento do diretor da APMA, que é equiparado a um gestor público, será superior ao do primeiro-ministro devido às despesas de representação e será o dobro dos chefes máximos das forças da polícia.

O salário do diretor do novo SEF pode chegar aos oito mil euros, revela o “Diário de Notícias”. Assim, o vencimento do diretor da Agência Portuguesa para as Migrações e Asilo (APMA) vai ser mais do dobro do salário dos diretores nacionais da Polícia Judiciária, PSP, comandante-geral da GNR e do presidente do Instituto de Registos e Notariado.

É importante lembrar que o novo diretor da APMA vai herdar funções administrativas do SEF e vai partilhar também funções com o IRN.

Como a APMA será um instituto público, como previsto no decreto-lei, os membros do conselho diretivo terão o estatuto de gestor público e tal também se verifica na remuneração.

Apesar da lei ditar que a remuneração dos gestores públicos não podem ultrapassar o vencimento do primeiro-ministro, no valor de 5.800 euros, estes gestores têm direito a abonos mensais para despesas de representação de 40% do salário, o que totaliza mais 2.300 euros, pelas contas do “DN”, o que totaliza mais de oito mil euros.

No caso do presidente do conselho, o salário pode ir dos 6.600 aos 8.270 euros, enquanto os vogais recebem entre 5.950 e 7.440 euros. Estes valores contrastam com os quatro mil euros auferidos pelos chefes máximos da polícia.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Banco de Portugal, APB, Concorrência e Deco chamados ao Parlamento

O requerimento para a audiência foi feito pelo PSD e hoje teve a aprovação dos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças (COF).

Cravinho e o custo das obras no hospital militar. “Não me surpreende que seja um pouco mais”

O antigo ministro da Defesa Nacional, agora ministro dos Negócios Estrangeiros foi interrogado na Assembleia da República pelos deputados de PS, PSD, Chega, IL, PCP e BE sobre a obra no antigo hospital militar de Belém, cujo custo foi muito além da estimativa inicial.
Comentários