Salário médio do trabalhador não qualificado é limite para prestações sociais

O ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, Pedro Mota Soares, afirma que o teto máximo na atribuição das prestações sociais não deve ultrapassar o equivalente ao salário médio de um trabalhador não qualificado. “Ninguém que tenha idade e capacidade para trabalhar deve receber mais de prestações sociais do que se estivesse a trabalhar. A […]

O ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, Pedro Mota Soares, afirma que o teto máximo na atribuição das prestações sociais não deve ultrapassar o equivalente ao salário médio de um trabalhador não qualificado.

“Ninguém que tenha idade e capacidade para trabalhar deve receber mais de prestações sociais do que se estivesse a trabalhar. A soma da totalidade das prestações sociais, quando ultrapassa aquele que é o salário médio de um trabalhador não qualificado deve servir de limite para as prestações sociais que substituem rendimentos, como o rendimento social de inserção (RSI), o subsídio social de desemprego e o subsídio social de doença”, frisou o ministro no parlamento.

De acordo com o Orçamento do Estado para 2015 (OE2015) entregue há uma semana na Assembleia da República, o Governo prevê a introdução de um teto máximo para “as prestações sociais não contributivas substitutivas de rendimentos do trabalho” poupando 100 milhões de euros em 2015.

Mota Soares, que está a ser ouvido numa audição conjunta da Comissão do Orçamento, Finanças e Administração Pública, com a Comissão de Segurança Social e Trabalho, no âmbito da apreciação, na generalidade, do OE2015, respondia a uma questão colocada pela deputada socialista Catarina Marcelino sobre quais as prestações em causa para a atribuição do teto máximo.

Mota Soares recorreu a um exemplo, mas as dúvidas persistiram.

“O exemplo de uma família que recebe de RSI cerca de 375 euros, de abono de família mais de 70 euros, de apoios à renda de casa cerca de 250 euros, um conjunto de apoios à área da educação de 280 euros; recebe um conjunto de apoios e, no final, o rendimento desta família muitas vezes é superior ao rendimento de uma família de um trabalhador médio não qualificado”, evidenciou o ministro.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Costa espera privatização da TAP em 12 meses. Admite que Estado possa perder dinheiro

O primeiro-ministro disse hoje esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses, afirmando que “só se fosse irresponsável” é que garantiria que o Estado não irá perder dinheiro na transação, mas “espera que não”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Parlamento debate sexta-feira escassez e fixação de professores

Chega, PCP e BE que dão avaliação negativa ao arranque do ano letivo, pretendem arranjar soluções para problemas de “fundo” na carreira docente, e partilham a sua visão com o Jornal Económico.