Comissão Europeia: Salários vão subir. Juncker vai ganhar 31 mil euros por mês

O presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker, vai ganhar 31 mil euros por mês.

Alessandro Bianchi/Reuters

Os funcionários das instituições europeias vão voltar a ser aumentados. O aumento, de 3,6%, vai ser pago a partir de dezembro, com retroativos desde julho. O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, por exemplo, vai passar a ganhar 31 mil euros por mês.

Apesar da notícias, Félix Géradon, da Union Syndicale, não está totalmente satisfeita. A dirigente disse à TVI que “não é um bom presente. É, realmente, um reflexo do que se faz nos estados-membros”.

O dirigente sindical recorda o congelamento de salários em 2013 e 2014, referindo os ligeiros aumentos de 0,8% (em 2012) e 0,1% (2010).

A TVI apurou que por exemplo, uma secretária nas instituições europeias, no topo da carreira, vai passar a ganhar 4.600 euros brutos por mês. Se estiver deslocada do seu país somam-se mais 736 euros. O canal de Queluz acrescenta ainda que para alojamento são mais 273 euros a que acrescem 397 euros por cada filho e mais 269 por cada um (filho) em idade escolar. No total esta funcionária leva para casa mais de 6.000 euros brutos por mês.

Recomendadas

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.

Governo recupera proposta para aumentar valor das horas extraordinárias

Em nove páginas, o Governo apresenta mais de 20 propostas aos parceiros sociais, no âmbito do acordo de rendimentos. Quer reforçar as horas extra, valorizar salários, simplificar as obrigações e baixar o IRC, mas não de modo transversal, como defendeu o ministro da Economia.
Comentários