Saldos estão proibidos até 9 de janeiro. Trocas e devoluções prorrogadas até 31 de janeiro

Apesar de encerradas a 25 de dezembro, as lojas iniciam a redução de preços a 26 de dezembro, dando a possibilidade dos consumidores procederem à troca de presentes com preços mais reduzidos. 

Manuel de Almeida/Lusa

Deixar uma ou outra prenda para oferecer depois do Natal passou a ser normal, especialmente quando só voltamos a ver a pessoa no ano seguinte. No Conselho de Ministros extraordinário de terça-feira, o Governo decidiu proibir a realização de saldos entre os próximos dias 25 de dezembro de 2021 e 9 de janeiro de 2022.

“Entre os dias 25 de dezembro de 2021 e 9 de janeiro de 2022 são proibidas, em estabelecimento, práticas comerciais com redução de preço”, lê-se no comunicado do Conselho de Ministros publicado após a conferência de imprensa do primeiro-ministro.

Apesar de encerradas a 25 de dezembro, as lojas iniciam, habitualmente, a redução de preços a 26 de dezembro, dando a possibilidade dos consumidores procederem à troca de presentes com preços mais reduzidos.

Também o prazo para devoluções e trocas foi estendido até ao dia 31 de janeiro de 2022. Usualmente, estes movimentos ocorrem até meio do mês de janeiro, de forma a dar espaço às pessoas para analisarem os novos preços das lojas e as coleções colocadas em promoção e as novas coleções de inverno.

“O prazo para o exercício de direitos atribuídos ao consumidor que termine entre os dias 26 de dezembro e 9 de janeiro, ou nos 10 dias posteriores àquele período, é prorrogado até 31 de janeiro de 2022”, escreve o Governo em comunicado.

Estas novas restrições servem para limitar as deslocações dos portugueses e evitar a aglomeração de consumidores nos estabelecimentos comerciais, que a partir do próximo dia 25 de dezembro passam a ter uma redução de lotação de uma pessoa por cinco metros quadrados.

Recomendadas
Carlos Moedas

Moedas diz que classe política “tem que dar o exemplo de devoção pelo bem comum”

O presidente da Câmara de Lisboa considerou hoje que o 1.º de Dezembro ensinou que a “classe política tem que dar o exemplo de devoção pelo bem comum”, não podendo fechar-se “sobre si mesma” ou considerar ser “imune à crítica”.

Costa apela para celebração da “força da bandeira nacional” em mensagem do Dia da Restauração

 O primeiro-ministro António Costa homenageou hoje a “memória dos que lutaram e contribuíram” para a restauração da independência de Portugal, apelando para a celebração da “soberania” e da “força da bandeira nacional”, numa mensagem evocativa do 1.º de dezembro.

Marcelo agradece a ciganos que “deram a vida pela independência” e lamenta discriminação

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lembrou hoje os ciganos que “deram a vida” pela independência nacional e lamentou a discriminação de que têm sido alvo em Portugal.
Comentários