Salgado pediu ao Governo financiamento da CGD ao GES

A ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, revelou no parlamento que o antigo presidente do BES, Ricardo Salgado, lhe solicitou que a CGD concedesse financiamento ao Grupo Espírito Santo (GES), algo que foi recusado pela governante. “Desde que tenho funções como ministra das Finanças tive várias reuniões com o senhor Ricardo Salgado, como com qualquer […]

A ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, revelou no parlamento que o antigo presidente do BES, Ricardo Salgado, lhe solicitou que a CGD concedesse financiamento ao Grupo Espírito Santo (GES), algo que foi recusado pela governante.

“Desde que tenho funções como ministra das Finanças tive várias reuniões com o senhor Ricardo Salgado, como com qualquer outro”, afirmou a ministra, sublinhando que nesses encontros, o ex-presidente do Banco Espírito Santo (BES) lhe deu nota “das preocupações que tinha relativamente à situação do grupo e das implicações que podia ter para a economia portuguesa”.

Maria Luís Albuquerque, que hoje está a ser ouvida na comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do GES, garantiu que Salgado “só falava das preocupações com o GES e não com o BES”.

E reforçou: “Nunca ouve qualquer pedido, formal ou informal, ou sequer referência, a um pedido de recapitalização pública do BES”.

A governante assegurou que aquilo que Salgado lhe pediu foi que o banco público financiasse o GES, algo que não aconteceu.

“Aquilo que me foi pedido numa dessas reuniões foi algum enquadramento em que houvesse um financiamento da CGD. Quer no caso do GES, quer em qualquer outro, o Governo não fala com a administração do banco público acerca dos créditos que deve, ou não, conceder”, sublinhou.

“Nunca interferi com qualquer decisão da CGD nesta matéria, nem nunca o farei. E foi isso que referi. O Governo não ia ter qualquer interferência nessa matéria”, salientou Maria Luís Albuquerque.

Segundo a ministra, a concessão de apoios públicos ao GES não faria sentido, nem haveria enquadramento legal para tal.

Reforçando o que já tinha dito na sua intervenção inicial, a governante vincou que “para o BES, nada nunca foi pedido”.

Maria Luís Albuquerque está a ser ouvida pelos deputados desde as 15:00, naquela que é a segunda audição do dia da comissão de inquérito ao caso BES, depois de Fernando Teixeira dos Santos, antigo ministro das Finanças do PS, ter estado no parlamento de manhã.

OJE/Lusa

Recomendadas

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.