Sanções à Coreia levam EUA a parar investigação de “injustiças comerciais” chinesas

Fontes da Casa Branca indicam que a pressão comercial de Washington em avançar com “sanções” unilaterais contra empresas chinesas foi o impulso que faltava para persuadir a China a aceitar as sanções económicas impostas pela ONU.

 

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, decidiu suspender temporariamente uma investigação às alegadas práticas comerciais “injustas” da China, pela sua inércia face às constantes ameaças da Coreia do Norte, do qual é o principal importador. Segundo a imprensa norte-americana, a medida surge depois de o país ter garantido estar empenhado em avançar com a pressão ao regime norte-coreano, mesmo com os efeitos das sanções a fazerem-se sentir na economia do gigante asiático.

Fontes da Casa Branca contam à agência Reuters que a pressão comercial de Washington em avançar com “sanções” unilaterais contra empresas chinesas com laços norte-coreanos foi o impulso que faltava para persuadir a China a aceitar as sanções económicas impostas pela Organização das Nações Unidas (ONU), este sábado e que podem vir a privar Pyongyang de mil milhões de dólares de receitas anuais.

“Devido aos laços económicos entre a China e a Coreia do Norte, o Governo chinês será o principal afetado pela implementação de novas sanções ao país”, afirmou o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi. “No entanto, para proteger o sistema internacional de não proliferação e a paz e a estabilidade regionais, a China implementará de forma completa e estreita todo o conteúdo da medida”.

As últimas sanções aprovadas por unanimidade na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), incidem sobre as exportações norte-coreanas de carvão, ferro, chumbo e frutos do mar.

Esta terça-feira, Donald Trump avisou a Coreia do Norte de que “é melhor não fazer mais ameaças aos Estados Unidos” ou “elas terão como resposta fogo e fúria como o mundo nunca viu”. À ameaça norte-americana, o líder norte-coreano, Kim Jong-un respondeu dizendo que está a ponderar atacar com mísseis balísticos o território norte-americano de Guam, levando a um escalar na tensão entre os dois países.

Relacionadas

Coreia do Norte ameaça atacar território americano de Guam

Pyongang afirmou, na madrugada desta quarta-feira, que está a estudar “cuidadosamente” a possibilidade de realizar um ataque com misseís sobre o território localizado no Oceano Pacífico.

“Fogo e fúria como o mundo nunca viu”: Trump faz ‘promessas’ à Coreia do Norte

Presidente norte-americano avisou a Coreia do Norte de que “é melhor não fazer mais ameaças aos Estados Unidos” ou “elas terão como resposta fogo e fúria como o mundo nunca viu”.

Donald Trump aplaude união internacional perante perigos da Coreia do Norte

“Depois de muitos anos de insucesso, os países estão a unir-se para finalmente enfrentar os perigos declarados pela Coreia do Norte. Devemos ser duros e decisivos”, escreveu o presidente norte-americano.

China garante estar disposta a pagar o preço das sanções à Coreia do Norte

As últimas sanções aprovadas pela Organização das Nações Unidas (ONU), este sábado, podem vir a privar Pyongyang de mil milhões de dólares de receitas anuais e, consequentemente, lesar a economia chinesa, que é a principal importadora dos produtos norte-coreanos.
Recomendadas

Presidente de Taiwan falha estratégia de usar a China como ameaça

Tsai Ing-wen renunciou ao cargo de líder do Partido Democrático Progressista depois de a sua estratégia de enquadrar as eleições locais como uma demonstração de desafio à China não ter conquistado o eleitorado.

NATO Industrial Advisory reúne com a indústria da defesa em Gaia

Órgão consultivo e de assessoria de alto-nível que atua como foco e porta-voz das indústrias e das associações nacionais de defesa e segurança junto da NATO, reúne de 28 a 30 de novembro com 51 entidades de 25 países.

Obiang reeleito Presidente da Guiné Equatorial com 94,9% dos votos

O presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, ganhou as eleições presidenciais com 94,9%, anunciou a Junta Eleitoral Nacional, pelo que avança para o sexto mandato de sete anos. A oposição queixa-se de fraude generalizada.
Comentários