Santa Casa da Misericórdia de Lisboa compra 55% do capital do hospital da Cruz Vermelha

O acordo entre duas entidades define que o Hospital da Cruz Vermelha mantenha o seu nome e identidade, assim como toda a sua atividade clínica.

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa adquiriu 55% do capital do hospital da Cruz Vermelha (HCV) portuguesa, informa a Santa Casa em comunicado esta segunda-feira, 14 de dezembro.

De acordo com o comunicado, os termos deste negócio têm em consideração “a responsabilidade pela recapitalização da sociedade gestora do HCV, bem como pelo desenvolvimento a curto prazo de um programa de reestruturação da atividade operacional, a qual será assumida pela Santa Casa, na qualidade de acionista maioritária”, na qual a Cruz Vermelha portuguesa se desonera por força da venda das suas ações.

O acordo entre duas entidades estipula que o Hospital da Cruz Vermelha mantenha o seu nome e identidade, assim como toda a sua atividade clínica, “estando previsto, no entanto, um reforço da sua intervenção no âmbito do Terceiro Setor, em linha com as orientações estratégicas e intervenção da Santa Casa na área da saúde”, indica o comunicado.

Na próxima quarta-feira serão eleitos em assembleia geral os novos corpos sociais do HCV, bem como os membros nomeados pela Santa Casa que iniciarão as funções de gestão.

Posteriormente, está prevista a aquisição, também por parte da Santa Casa, das restantes ações do capital social da sociedade gestora do HCV, detidas pela Parpública, detentora de 45%, sendo que os restantes 0,03 são de pequenos acionistas.

Recomendadas

Multas aplicadas a sites financeiros ilegais dispara nove vezes

Pandemia e inflação impulsionaram serviços que oferecem investimentos milagrosos ou empréstimos avultados, tendo disparado o número de avisos e coimas aplicadas a estes sites ilegais.

The Big Ones. Apple: serviços crescem, receitas do iPhone caem

The Big Ones destaca semanalmente as inovações e movimentos estratégicos das empresas que lideram a nova economia.

Portugal à porta do ‘top 10’ da Europa na capacidade de produzir baterias (com áudio)

Numa altura em que o mercado dos veículos elétricos cresce a olhos vistos, os dados projetados para 2030 apontam para uma capacidade de 48 GWh, num ‘ranking’ liderado pela Alemanha, que leva uma larga vantagem para os outros países europeus.
Comentários