Santana Lopes considera que falsas presenças na Assembleia são um “insulto à democracia”

O partido diz que estas situações têm vindo a enfraquecer o Parlamento e defende que “importa apurar a verdade e agir sem contemplações”.

O Aliança, novo partido fundado por Pedro Santana Lopes, considera que as falsas presenças e as votações fraudulentas na Assembleia da República são um “insulto à democracia”. O partido diz que estas situações têm vindo a enfraquecer o Parlamento e defende que “importa apurar a verdade e agir sem contemplações”.

“Consideramos um insulto à Democracia aquilo que se tem passado na Assembleia da República com falsas moradas, falsas presenças e falsas votações”, afirma o partido, num post publicado no Facebook.

O Aliança defende que a situação das presenças “fantasma” e a situação das moradas falsas e pagamentos indevidos por viagens “contribuem para o descrédito do Parlamento” e que, por isso, “exigem um procedimento imediato de clarificação e imposição da Ética e da legalidade”. “Quem está na vida política e representa os seus concidadãos tem de dar o exemplo do respeito pela Lei e, também, da Moral”, sublinha a Comissão Instaladora Nacional do partido.

“Estas situações só contribuem para afastar os cidadãos da Política e também ajudam a explicar o aumento da abstenção, por exemplo, de 17,3%, nas legislativas de 1979 para 44,14%, nas legislativas de 2015”, afirma. “Queremos mudar este paradigma e de uma vez por todas limpar as instituições deste estado degradado em que se encontram, devolvendo-lhes a credibilidade e respeito que devem merecer”.

Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários