Santander compra negócio do Deutsche Bank na Polónia por 305 milhões de euros

As duas entidades bancárias previam assinar um acordo antes do final do ano, idealmente antes do Natal, tal como acabou por acontecer.

O Banco Santander anunciou esta quinta-feira de manhã a aquisição o negócio do Deutsche Bank na Polónia por 305 milhões de euros. A compra inclui o negócio de banca comercial e privada, a atividade de pequenas e médias empresas e a unidade de gestão de ativos, excluindo a carteira de hipotecas em moeda estrangeira, acordo com o comunicado divulgado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“O grupo Santander informa que a sua subsidiária Bank Zachodni WBK, juntamente com o Banco Santander, chegou a um acordo com o Deutsche Bank para a aquisição do banca de retalho e banca privada do Deutsche Bank Polska, S.A., excluindo a carteira de hipotecas em moeda estrangeira, incluindo a aquisição de ações da DB Securities, S.A. (Polónia), por um montante estimado de 305 mil milhões de euros”, pode ler-se na nota.

A agência Reuters já tinha avançado com a notícia a 17 de novembro, referindo que o banco espanhol Santander tinha, nessa altura, entrado em negociações exclusivas para comprar a maior parte do negócio do Deutsche Bank na Polónia, com o objetivo de fortalecer a sua posição no mercado polaco onde o Santander, tal como o BCP estão presentes.

As duas entidades bancárias previam assinar um acordo antes do final do ano, idealmente antes do Natal, tal como acabou por acontecer. Segundo o grupo liderado por Ana Botín, a operação, que está sujeita ao aval regulatório e das respetivas Assembleias Gerais de Acionistas, “não terá um impacto apreciável sobre os recursos próprios do núcleo CET1”.

Santander em negociações exclusivas para comprar ativos do Deutsche Bank na Polónia

Recomendadas

Crédito à habitação. Governo suspende comissão de amortização antecipada em 2023

O Governo afasta, contudo, um regresso das moratórias no crédito da casa. Uma medida que iria “criar uma ilusão às pessoas de que podemos acabar com o aumento das taxas de juro”, disse o secretário de Estado do Tesouro.

XTB não antevê eclosão de outra crise financeira global com a situação do Credit Suisse

“Na situação atual, a eclosão de outra crise financeira global como consequência do potencial colapso deste banco parece improvável, mas mesmo assim as consequências locais e a curto prazo do futuro questionável do Credit Suisse devem ser tidas em conta”, concluem os analistas da corretora.

Fidelidade reforça posição na seguradora peruana La Positiva para 93,9%

Na sequência de uma OPA, a Fidelidade passou a controlar 93,9% da seguradora e para isso faz um investimento de 396,3 milhões de soles, o equivalente a cerca de 101,2 milhões de euros.
Comentários