Santi Cianci: “Flexibilizar os planos de benefícios oferecidos pelas empresas aos colaboradores são fatores críticos de sucesso”

O setor segurador é influenciado pela evolução do contexto económico do nosso país, pelo que à medida que o Estado Social recua na sua função social passam a ser reconhecidos os benefícios proporcionados pela contratação de seguro. O papel que as empresas desempenham no reconhecimento aos seus colaboradores, através de benefícios salariais como seguros de […]

O setor segurador é influenciado pela evolução do contexto económico do nosso país, pelo que à medida que o Estado Social recua na sua função social passam a ser reconhecidos os benefícios proporcionados pela contratação de seguro.

O papel que as empresas desempenham no reconhecimento aos seus colaboradores, através de benefícios salariais como seguros de saúde, seguros de vida, seguros de acidentes pessoais e planos de pensões, assume uma verdadeira oportunidade para o setor e uma proteção social acrescida para os colaboradores, que é fortemente valorizada por estes.

A capacidade do setor segurador adaptar e flexibilizar os planos de benefícios oferecidos pelas empresas aos seus colaboradores são fatores críticos de sucesso para esta oportunidade de negócio.

O desinvestimento público em áreas sensíveis como a Saúde e a Reforma tem aberto nos últimos anos uma janela para o mercado segurador. Nos últimos anos tem-se registado um crescimento de produção dos seguros de Doença (3,1% em 2013), estando em contraciclo com o desempenho observado dos restantes segmentos do Ramo Não Vida. Além disso, com as várias reformas implementadas no sistema de pensões públicas, cabe ao mercado segurador um papel ativo, na procura de soluções que se integrem com o regime de pensões da Segurança Social, através de planos de poupança e capitalização.

 

Santi Cianci / Generali

Recomendadas

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.