Santos Silva: “a restrição orçamental não terminou”

O ministro dos Negócios Estrangeiros alertou que o país não se deve deixar levar pela “euforia” pois a restrição não terminou.

O ministro dos Negócios Estrangeiros alertou hoje que, apesar dos resultados favoráveis em 2016, “a restrição orçamental não terminou”.

“Temos tido resultados muito positivos ao longo de 2016, seja do ponto de vista da estabilidade social e política seja do ponto de vista dos indicadores económicos e orçamentais, mas não podemos desvalorizar a importância de continuar um esforço de consolidação orçamental e de enfrentar os problemas económicos e financeiros que ainda temos”.

Augusto Santos Silva explicou que o país não se deve deixar levar pela “euforia” pois a restrição não terminou e “as variáveis financeiras não passaram a ser secundárias,” sendo necessário “manter o esforço e a partir daí alavancar” os esforços no domínio económico e social.

O ministro aproveitou para pedir aos conselheiros que se comportem como a Comissão de Valores Mobiliários e “parem de negociar”.

“Quando as acções começam a descer muito para-se a negociação, quando as acções começam a subir muito, também se deve parar a negociação”, declarou em discurso o ministro, segundo a agência Lusa divulgada pelos meios de comunicação.

Santos Silva reitera a necessidade “progredir, e muito, na inovação e na qualidade da organização e da gestão do nosso tecido económico” especialmente “no ponto de vista da coesão territorial e do ponto de vista da coesão social”.

Recomendadas

Governo prevê PIB a crescer 1,3% e défice de 0,9% no próximo ano

O cenário macroeconómico da proposta de Orçamento do Estado para 2023, que está hoje a ser apresentado aos partidos, contempla prevê um abrandamento do crescimento económico de 6,5%, este ano, para 1,3% no próximo. Inflação mantém-se no patamar do OE/2022 de 4% e dívida cai para 110,8%.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

Ryanair condena proposta da ANA de subir taxas aeroportuárias até 15% no próximo ano

“Não há justificação para um aumento de 15% nas já elevadas taxas aeroportuárias da ANA, especialmente quando o tráfego aéreo e turístico português ainda está a recuperar após a pandemia e deve ser apoiado com taxas aeroportuárias mais baixas”, refere a companhia irlandesa numa nota enviada à imprensa.
Comentários