Santos Silva: “Uma das virtudes da democracia portuguesa é ter estado imune a manifestações de extrema-direita”

O ministro dos Negócios Estrangeiros avisou esta quinta-feira que a manifestação dos “coletes amarelos” portugueses agendada para sexta-feira deve respeitar a circulação de bens e a segurança das pessoas e prometeu combater as influências de extrema-direita na sociedade.

Cristina Bernardo

 

O ministro dos Negócios Estrangeiros avisou esta quinta-feira que a manifestação dos “coletes amarelos” portugueses agendada para sexta-feira deve respeitar a circulação de bens e a segurança das pessoas e prometeu combater as influências de extrema-direita na sociedade.

santos silva”O direito à manifestação é um direito constitucional”, mas “tem como regra ser uma manifestação pacífica, comunicada às autoridades e que não perturbe nem a circulação dos bens nem a segurança das pessoas”, afirmou à Lusa Augusto Santos Silva, “número dois” do governo português.

“As manifestações não precisam de ser autorizadas, basta serem comunicadas”, recordou o governante português, que comentou a tentativa de influência no movimento popular por parte de forças da extrema-direita.

A essa tentativa de influência, Santos Silva promete um “combate político, democrático e pacífico por natureza”. “Uma das grandes virtudes da democracia portuguesa é ter estado imune a manifestações de extrema-direita e às diferentes variantes de populismo, xenofobia e nacionalismo extremo”, acrescentou.

O Movimento Coletes Amarelos Portugal (MCAP) agendou para sexta-feira um grande protesto em todo o país. De momento, vários movimentos estão a convocar os cidadãos através das redes sociais para saírem à rua em vários pontos do país na próxima sexta-feira, tentando imitar o movimento dos “coletes amarelos” de França, mas sem violência.

No manifesto, o grupo propõe uma redução de impostos na eletricidade, com incidência nas taxas de audiovisual e emissão de dióxido de carbono, uma diminuição do IVA e do IRC para as micro e pequenas empresas, bem como o fim do imposto sobre produtos petrolíferos e redução para metade do IVA sobre combustíveis. Não tolerando qualquer ato de violência ou vandalismo, o movimento, que se intitula como “pacífico e apartidário”, defende também o combate contra a corrupção.

A lista de reivindicações termina com a reforma do Serviço Nacional de Saúde, a revitalização dos setores primário e secundário e o direito à habitação e fim da crise imobiliária. Os apelos aos protestos começaram a ser feitos por cidadãos anónimos da zona Oeste do país nas redes sociais, principalmente no Facebook, há cerca de três semanas.

Na terça-feira, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sublinhou que “a situação em Portugal é diferente da situação em França”.

A França, vincou, “teve sempre revoluções sangrentas. Portugal teve uma Revolução dos Cravos. Portanto, em Portugal, sabemos compreender que as razões de queixa e indignação e protesto devem ser expressas pacificamente”.

No início da semana, a GNR e PSP disseram à Lusa que estão a acompanhar o processo através de recolha de informação no terreno, pelas redes sociais e com os promotores das iniciativas para ter pessoal operacional caso seja necessário.

Relacionadas

Coletes Amarelos: GNR vigia redes sociais e PSP apela a respeito pela lei

Manifestações “Vamos Parar Portugal” estão marcadas para amanhã em várias cidades do país. GNR está a monitorizar redes sociais e assegura que esta sexta-feira o seu contingente está reforçado nas estradas. Já a PSP suspendeu folgas de todos os polícias no dia 21, data anunciada para o protesto dos “coletes amarelos”.

Coletes Amarelos exigem salário mínimo de 700 euros, menos impostos e corte nas reformas douradas

A manifestação nacional, inspirada no movimento em França, está agendada para esta sexta-feira, 21 de dezembro, e promete parar o país. Movimento dos Coletes Amarelos Portugal reúne lista de reivindicações em manifesto que pretende dar voz a insatisfeitos com problemas do país. E assegura que acções só param quando exigências forem atendidas.

Coletes Amarelos: este é o mapa das concentrações desta sexta-feira

As manifestações a decorrer no próximo dia 21 de dezembro, em vários pontos de país, serão monitorizadas pela PSP. Estes são os pontos de concentração onde vão decorrer as manifestações desta sexta-feira.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Itália.”É cedo para dizer se vai marcar um período de crise na UE”, diz Rangel sobre vitória de Meloni

O vice-presidente do PSD sublinhou também que o partido Fratelli d’Italia “tem posições xenófobas, tal como os Democratas Suecos”
Diogo Pacheco de Amorim com André Ventura

Chega diz que resultados em Itália abrem caminho a “uma reconfiguração política da Europa”

O Chega diz também estar estar seguro “de que estes ventos de mudança irão chegar a Portugal”.
Comentários