São menos de 7% os consumidores dispostos a pagar mais por produtos e serviços sustentáveis, revela estudo

De acordo com um novo relatório da Boston Consulting Group (BCG) que não inclui Portugal, os consumidores preocupam-se com o clima e a sustentabilidade e querem contribuir ativamente. Mas só 20% acreditam que podem ter realmente um impacto e 70% admite sentir desconfiança em relação a reivindicações e compromissos de sustentabilidade empresarial. 

Menos de 7% dos consumidores estão dispostos a pagar mais por produtos e serviços sustentáveis, revela o estudo da Boston Consulting Group (BCG) que não abrange o mercado português.

O mesmo estudo mostra ainda que 70% dos consumidores desconfiam dos compromissos sustentáveis anunciados pelas empresas.

O relatório, intitulado “Consumers Are the Key to Taking Green Mainstream”, mostra também como acelerar a adoção de produtos, serviços e comportamentos sustentáveis por parte dos consumidores.

“Os compromissos empresariais com clima e sustentabilidade estão a crescer em número e âmbito, mas é necessária uma maior ação dos consumidores para alcançar os objetivos coletivos de sustentabilidade”, revela.

De acordo com o novo relatório, os consumidores preocupam-se com o clima e a sustentabilidade e querem contribuir ativamente. Mas só 20% acreditam que podem ter realmente um impacto e 70% admite sentir desconfiança em relação a reivindicações e compromissos de sustentabilidade empresarial.

O relatório, baseado num inquérito a 19.000 consumidores nos EUA, Japão, Alemanha, França, Itália, China, Índia e Brasil, constata que apesar de 80% dos consumidores afirmem estar preocupados com a sustentabilidade, apenas 1% a 7% pagariam mais por compras sustentáveis.

“É fácil interpretar estes sinais como uma falta de prontidão dos consumidores, mas as empresas nunca irão maximizar o potencial dos produtos e serviços sustentáveis se se concentrarem apenas nos consumidores que estão dispostos a pagar mais”, afirma Aparna Bharadwaj, Managing Director e Partner da BCG, diretor global do Centro de Informação ao Cliente da BCG, e coautor do relatório. “Há um número significativo de consumidores que estão no limiar de escolher produtos e serviços sustentáveis. A questão-chave é: “Como os encorajamos a agir?”.”

As melhores oportunidades para as empresas encontram-se nas categorias de produtos e serviços examinadas no relatório que apresentam maior adoção de comportamentos sustentáveis por parte dos consumidores. Por exemplo, em produtos domésticos 60% dos consumidores afirmam já adotar comportamentos como reciclagem de produtos, garrafas e embalagens (36%), utilização de panos de limpeza reutilizáveis (35%), e compra de produtos de limpeza recarregáveis (29%).

Em automóveis, 39% dos consumidores afirmaram conduzir apenas quando estritamente necessário (38%) ou partilhar o carro (14%).

A percentagem de adoção de comportamentos sustentáveis varia também de acordo com o mercado. A maior preocupação com sustentabilidade é do consumidor chinês  (93% dos inquiridos) derivado de categorias como cuidados domésticos, automóveis, retalho, vestuário e produtos de cuidado da pele. O consumidor brasileiro surge em segundo lugar (89%) devido às categorias de cuidados domésticos, automóveis e eletrónica.

“Ao compreender as principais necessidades dos consumidores, e ao remover barreiras reais ou percebidas através da inovação e comunicação, as empresas podem aumentar significativamente os resultados sustentáveis”, remata Lauren Taylor, managing director e partner da BCG e coautora do relatório.

“Tornar o atributo da sustentabilidade um ‘e’ não um ‘ou’ será um ganho para todos”, conclui.

Recomendadas

PremiumJoão Caiado Guerreiro: “Os vistos gold têm sido extremamente positivos para o país”

Área de Imigração deverá continuar a ser das mais dinâmicas da Caiado Guerreiro, apesar do anunciado fim dos vistos ‘gold’. Processo para cobrar cinco milhões de euros em honorários à Pharol vai a julgamento em fevereiro.

Custo de cabaz alimentar de bens básicos aumentou 21% para adultos num ano, diz BdP

O banco central revela que entre outubro de 2021 e outubro de 2022, o custo mensal médio e mediano de um cabaz básico de consumo alimentar para um adulto com cerca de 40 anos aumentou 21% e 24%, respetivamente.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.
Comentários