SAP abre novo escritório em Angola

A SAP África anunciou a abertura de um novo escritório em Luanda, Angola. Esta é a quinta plataforma regional em África da multinacional tecnológica alemã.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O novo escritório da SAP África em Angola, fica na zona empresarial de Luanda e será dirigido pelo diretor-geral para a África Lusófona, Pedro Guerreiro.

Este responsável, que integrou a SAP na subsidiária portuguesa há mais de 17 anos, foi anteriormente diretor de Serviços da SAP nos EUA. Pedro Guerreiro acumulará esta nova função com o cargo que já desempenhava enquanto responsável pelas Indústrias de Recursos Naturais e de Energia na SAP Africa.

“O investimento da SAP na maior cidade de Angola reafirma o compromisso da empresa em fortalecer as relações com o governo, clientes e parceiros de negócio do país, bem como na expansão das operações na África Lusófona, nomeadamente em Moçambique”, explica a SAP em comunicado de imprensa.

A SAP está presente em Angola desde 1998, tendo como primeiro cliente o conglomerado petrolífero Sonangol. A empresa tem atualmente mais de 55 clientes no país, em diversos sectores de atividade, e conta com 13 parceiros credenciados. A presença da SAP em Moçambique é também reforçada, ao contar já com 28 clientes-chave e sete parceiros.

“A SAP está orgulhosa por reforçar as atuais parcerias de colaboração com as empresas de qualquer dimensão e com a administração pública, de forma a contribuir para o avanço da agenda de inovação da África Lusófona”, comentou Pedro Guerreiro, diretor-geral. “Apesar do difícil ambiente económico vivido atualmente, esta é a altura ideal para se estabelecer uma fundação de tecnologia e melhor posicionar as empresas e o governo para o momento em que a economia entrar num novo ciclo. A SAP está bastante otimista com as perspetivas de negócio nesta região e mantém expectativas de expansão da sua presença nos próximos anos,” acrescentou.

Fazendo parte deste compromisso e sustentando o investimento da SAP África no desenvolvimento de competências e dos recursos humanos naquele continente, a empresa anunciou também que a iniciativa SAP Skills for Africa será lançada em Angola em Junho de 2016.

A SAP Skills for Africa é uma iniciativa de desenvolvimento de competências e de criação de emprego, que visa promover competências TIC e de gestão empresarial em localizações estratégicas de África. Com o crescimento da economia e a simultânea escassez de qualificações no continente africano, este programa – o primeiro do seu género na indústria em África – oferece a estudantes selecionados a oportunidade de desenvolverem competências de classe mundial, permitindo-lhes efetivamente desempenharem um papel fundamental no futuro crescimento da economia em África e no desenvolvimento das infraestruturas.

A SAP, que opera em África desde 1982, tem presença em 51 países e regista mais de 1300 clientes em todo o continente africano.

OJE

Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Ministra da Justiça diz que é preciso melhorar condições dos processos de recuperação de empresas

“A melhoria das condições de processos de recuperação [de empresas], sobretudo em períodos de insolvência e de dúvida, como o que atravessamos, é um desafio, mas um desafio que temos de concretizar”, afirmou Catarina Sarmento e Castro.