Sara Sampaio lança-se no mundo dos negócios

Ao longo da última década, Sara Sampaio encantou o mundo nas passerelles e capas de revistas dos cinco continentes. Agora a supermodelo entra no mundo dos negócios – entrou no capital da PHUNK e assume o cargo de Chief Innovation Officer. A aposta nas bebidas Hard Seltzers e no segmento Ready to Drink começa em Portugal e tem como alvo a Europa, Brasil e Estados Unidos da América.

Foi em Nova Iorque, onde vive há mais de uma década, que Sara Sampaio conheceu pela primeira vez as hard seltzers. Estas bebidas têm algumas características chave, tendo por base água gaseificada, a que se juntam sabores e um teor reduzido de álcool.

Sara Sampaio entrou agora no capital da Phunk. Nesta sua primeira incursão no mundo dos negócios não se vai limitar ao papel de investidora. Assim, vai desempenhar funções como Chief Innovation Officer (CINO) – identificando estratégias, oportunidades de negócios e novas tecnologias. Terá também um papel fundamental no desenvolvimento de novos produtos.

Está para breve o lançamento da primeira Phunk by Sara Sampaio, num processo em curso que promete agitar o segmento.

A supermodelo diz que “ser CINO da Phunk é um orgulho incrível. Agora tenho a oportunidade de usar toda a minha criatividade com uma marca que eu adoro. Desde logo com a criação de novos sabores, campanhas… Quero destacar também a facilidade com que me integrei na equipa e isso aconteceu porque partilhamos a mesma visão e os mesmos valores. Estou muito contente por poder fazer parte deste projeto!”.

A ex-angel da Victoria’s Secret explica que “tudo começou quando eu estava em Portugal de férias com a minha família. Eu já conhecia as hard seltzers nos Estados Unidos e quis provar o que havia em Portugal. Encontrei a Phunk, experimentei e adorei – acabou por tornar-se a bebida destas férias e daí veio a curiosidade de saber quem estava por detrás da marca. O resto já é história”.

Sara Sampaio acredita que “as hard seltzers são a bebida da moda”, e explica porquê: “eu adoro vinho, mas nem sempre quero beber vinho. Nem sempre apetece, sobretudo quando está calor, estou na piscina ou na praia – não é prático estar com uma garrafa de vinho ou cerveja, sendo que as cervejas têm muito glúten e uma pessoa incha muito. As hard seltzers são a bebida ideal, são funcionais, refrescantes, com poucas calorias, têm sabores agradáveis e é só tirar da geleira”.

E porquê a Phunk? Sara Sampaio explica que começou por ficar “apaixonada pelas latas”, que “são giras e coloridas”. Mas o que fez mesmo a diferença foi sabor: “Eu já tinha provado muitas hard seltzers nos Estados Unidos e nenhuma se compara com a Phunk.”

Relativamente à passagem da moda para o mundo dos negócios, a CINO da Phunk considera que “tem sido uma etapa muito gratificante da minha vida, porque finalmente posso pôr as minhas ideias cá para fora e ter mais controlo naquilo que faço. Também é interessante estar envolvida em todo o processo, criativo e produtivo, desde o início até ao fim”.

Sara Sampaio mostra-se claramente ambiciosa: “Queremos levar a Phunk a todo o lado, ao mundo inteiro! Queremos que as pessoas se apaixonem pela bebida, em primeiro lugar na Europa e depois também no Brasil. No entanto, o mercado norte-americano é o nosso objetivo principal. Sei que temos um longo caminho a percorrer, mas acredito que vamos conseguir!“.

Nascidas nos Estados Unidos da América em 2013, as hard seltzers são um subsegmento das bebidas RTD (ready to drink) que apresenta um franco crescimento.

A partir de agora a Phunk passa a estar também disponível na rede de supermercados Continente Bom Dia e na plataforma Glovo, uma dinâmica que é já reflexo da entrada de Sara Sampaio no negócio.

 

Recomendadas

“Annie Ernaux, os anos super 8”: juntar o íntimo ao social e à História

O público português pode marcar encontro com a escritora francesa Annie Ernaux, Nobel da Literatura 2022. No grande ecrã, estreia um documentário que é também um retrato social, a 15 de dezembro, e nas livras irá encontrar a reedição de uma obra sua esgotada há 20 anos.

António Costa e a maldição do sete. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes”

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Didier Fiúza Faustino: 30 anos a questionar

Os projetos do “artista-arquiteto” franco-português, como o próprio se define, são marcados pelo questionamento do papel político da criação e da nossa posição enquanto sujeitos e cidadãos. O MAAT, em Lisboa, dedica-lhe uma retrospetiva que Faustino vê mais como um exercício prospetivo.
Comentários